terça-feira, 27 de dezembro de 2005

Tempo chuvoso

Luiza Helena
Hoje o dia amanheceu até bonitinho, mas logo apareceram aquelas nuvens cinza escuro, pra não dizer negras.
Vocês já perceberam como às vezes o dia parece cinza mesmo antes de chover? Estou falando não só do tempo físico, clima, temperatura, previsão do tempo; estou falando do tempo emocional. Os nossos sentimentos às vezes se parecem com a natureza, ou serão influenciados pela estação do ano?
Não sei bem o que eu quero dizer, mas parece que quando eu estou triste, vejo tudo à minha volta como se fosse cinzento, negativo. Se chover então...
No dia ensolarado, parece que eu fico um pouco mais alegre, aberta a novas experiências, com expectativas otimistas...
Existem pessoas que dizem: levantar da cama com o pé esquerdo dá azar, ou coisa parecida. Eu não acredito em superstições, mas já percebi que quando estou um pouco "pra baixo", ou meio deprimida, parece que todas as circunstâncias favorecem o acidente, o desastre, ou a confusão.
Um exemplo do que eu estou falando é, se você tem uma ferida em determinada parte do corpo, tudo bate, cai ou machuca aquela parte do corpo. Acho que vocês já perceberam isso também...
O cunhado, primo ou colega de trabalho "precisa" te dar aquele abraço apertado justamente quando você voltou de férias todo queimado de sol. Quando eu tropeço e machuco o dedão do pé, parece que todo sapato aperta, tudo cai exatamente naquele dedão, até quem nunca pisou no seu pé neste dia acerta!
E acho, não sei bem, eu penso (às vezes), que emocionalmente esse fenômeno também acontece, se você está meio triste, meio nervoso, ou meio alguma coisa, diversas outras coisas acontecem...
Se você não melhorar, vai piorar de vez.
Não pensem que eu estou pessimista hoje, mas acho que estou especialmente sensível a perceber as nuvens cinzas do céu. Até já choveu e enquanto eu chorava, assistia a chuva caindo na janela do serviço...
Parece até que atrai, se estou triste fico reparando no incêndio que ocorreu hoje na cidade, o carro batido que atrapalha o trânsito, o telefone que não pára de tocar, no trabalho as pessoas ficam mais exigentes na razão inversa da sua disponibilidade. Atrasos são acentuados por buracos e pedras no caminho. Ônibus lotado, quebrado, cadeira suja ou estragada justamente quando você está arrumado para aquele compromisso importante.
Acho que não sei mais o que eu estou escrevendo... O que eu sei é que este espaço existe pra se colocar as ideias e pensamentos, argumentos e discussões. Aproveitando esta ideia eu estou colocando aqui o que me perturba neste momento para não precisar mais pensar sobre isso hoje.
Estou esvaziando minha cabeça dos pensamentos trouxas que eu teimo em carregar comigo. Sei que este espaço não é lata de lixo, mas meus pensamentos à toa também não são tão ruins assim! O que estou descrevendo se parece com aquela lei de Murphy (ou será outro nome?) que diz que sempre pode ficar um pouco pior, se tudo estiver meio torto poderá ficar mais torto ainda.
Espero poder escrever em dia próximo sobre o inverso desta lei, pois quando estou otimista, até parece que as coisas ficam mais fáceis, Poliana pode bem explicar o que eu estou dizendo.
Sei que o mundo é colorido, cinzento, branco ou negro, dependendo de quem olha, e como olha.
Não existem coincidências, e nem acaso, acredito que todas as coisas na vida humana têm uma causa e, de acordo com nosso livre arbítrio, uma consequência inevitável.
Concordo quando dizem que colhemos o que plantamos, mas às vezes eu gostaria de ter a ajuda de alguém que me ensinasse a reconhecer os tipos de semente, a discernir as boas das ruins. Para não cometer duas vezes o mesmo erro de plantar espinho em vez de flores.
Ao final do dia cinzento e chuvoso eu reconheço que valeu a pena viver mais este dia. Espero com a graça de Deus amanhecer novamente amanhã; quando abrir os olhos, logo cedo, vou agradecer a oportunidade de escrever novamente, descrever as cores e continuar construindo esta história, que já começa meio torta, mas é verdadeira. Uma vida perdida procurando achar o rumo certo a seguir.

segunda-feira, 26 de dezembro de 2005

Começando

Resolvi aderir a essa mania nacional.
Várias vezes, algumas amigas me disseram: Você deve escrever, você escreve bem.
Sempre tive muitas dúvidas quanto a isso, mas agora resolvi mudar a minha história e nada melhor do que registrar os novos momentos e os antigos, como se estivesse passando a vida a limpo...
Já passei por muitas coisas na minha curta experiência de vida, momentos de pura comédia e do drama mais radical.
Espero não ficar tempo demais falando do passado, pois não posso fazer mais nada sobre o que já passou; vitórias, lutas, conquistas e perdas só são importantes quando podem resultar em aprendizado, ou quando puderem ser relacionados ao que está sendo vivenciado agora, no presente.
As expectativas e esperanças são muito bem vindas, acho que este é um bom momento para resgatar meus sonhos e descobrir o que eu realmente desejo da vida.
Uma coisa eu sei este é um novo começo, e resolvi não deixar para começar no Ano Novo, porque eu já adiei muitas vezes esse início.
Pronto! Já comecei, agora é só descobrir o que tenho a dizer, o que posso contar e descobrir sobre a vida, o mundo e as pessoas.
Luiza Helena