quinta-feira, 5 de janeiro de 2006

Do quê ou por que eu tenho medo?



















Luiza Helena

Uma boa parte da minha vida foi atormentada pela culpa. Depois de finalmente me livrar da culpa por meio da oração, fé e um encontro com Deus, me vejo hoje, atormentada pelo medo. Medo de errar, perder, sofrer, medo de acertar, vencer, brilhar...
Tenho que reconhecer, que diante de todos os tormentos vividos durante meus 39 anos, aprendi a sobreviver, sou campeã em mecanismos de defesa, devo já ter experimentado todos, se não a grande maioria.
Um dia, durante entrevista pós-psicotécnico, parte de um concurso, uma psicóloga, lendo os resultados dos meus testes, me diz: você é ambiciosa. Respondi que não, achando que fosse uma pergunta e a profissional me diz: não estou perguntando, estou afirmando. Ela percebeu a minha surpresa, meu olhar de espanto. Ninguém nunca tinha me dito isso!
Percebo hoje, uns oito anos depois de acontecido, acabando de escrever no parágrafo anterior, que meu autoconceito foi feito por partes das percepções e comentários das pessoas sobre mim. Quando penso sobre mim mesma, o que sou, de onde vim, as respostas sempre vieram de fora. Sempre me lembro das pessoas me dizendo que sou assim, ou de outro jeito. Sempre busquei uma identidade pra mim. Tudo o que mais queria, meu maior desejo é ser alguém e pertencer a uma família.
Acho que já nasci querendo agradar, ser aceita. O sentimento de rejeição é tão presente em mim que eu nem sei quando começou, me lembro apenas de quando ainda era bem pequena e já queria ser aceita. Cresci fazendo coisas e atuando de maneira que eu achava que ia agradar alguém, não queria ser recusada ou rejeitada. Aos seis anos já queria “comprar” a amizade dos coleguinhas dando brinquedos meus para eles. Achava que eles só iriam brincar comigo se eu tivesse os brinquedos ou se eu pudesse dá-los.
Uma vez ganhei um triciclo, na época era um sucesso, todas as crianças gostariam de ter um, papai me deu no aniversário, fiquei muito feliz e logo comecei a pedalar com ele por todo o jardim da casa. Meu pai recomendou que não poderia ir pra rua e nem emprestar para outras crianças maiores que eu. Cansada de brincar sozinha e vendo as crianças correndo na rua em grupos, não resisti e saí pelo portão. Recebi muita atenção das crianças que brincavam, muito alegres e convidativos me chamaram para participar dos jogos. Quando eu estava mais feliz, vendo meus novos amigos subindo e descendo a ladeira pedalando no meu triciclo, um acidente aconteceu, quando dois meninos brigavam para dar a próxima volta no brinquedo, ambos caíram e o selim plástico se quebrou... No mesmo instante, todas as crianças que eu mal conhecia, nem sabia os seus nomes ainda, de repente, sumiram! Eu voltei pra casa triste porque já não poderia mais sentar no meu triciclo novo. O que mais me entristeceu foi que além de apanhar do meu pai por ter desobedecido, não poderia mais brincar com aquelas crianças, pois não tinha mais nada pra emprestar.
Acho que meu medo fundamental é o da solidão.
Vivi muito tempo só, solitária, brincava sozinha, cantava, contava histórias, imaginava amigos que gostariam das mesmas coisas que eu. Com eles eu poderia me divertir de verdade, e eles não sumiriam quando algo desse errado, talvez até pudessem me emprestar seus brinquedos novos...
Revendo meu passado, percebo que vivi boa parte da vida buscando respostas, amor e aceitação. Buscando respostas para a vida e o mundo, eu buscava explicações sobre a minha própria existência, pensava sobre minhas dificuldades e competências. Em muitos momentos e tive pensamentos tristes e repetitivos, sentimentos de fraqueza e derrota, mas sempre consegui superar, recomeçar. Antes pensava que eram minhas próprias forças que garantiam o sucesso no final da batalha, depois percebi que é pela Graça de Deus que conseguimos superar os traumas e frustrações. Tenho buscado ficar em paz, peço a Deus orientação e equilíbrio.
Estou cansada de errar, de prejudicar, magoar, sofrer... Quero ser feliz! Quero me sentir bem comigo mesma, me cuidar, me amar, me ajudar a ser feliz! Quero me sentir capaz, forte, vencedora. Quero viver livre da culpa e da tristeza. Preciso, urgentemente, encontrar o meu centro, as minhas prioridades e buscar meios de equilibrar mente, corpo e alma. Quero ficar em paz com Deus e com o mundo! Quando eu era criança, minha mãe sempre repetia uma frase: "Querer não é poder!" Pois hoje, eu quero poder, quero querer, e lutar para defender esse querer, essa vontade de viver, usufruir da vida com abundância!
Enquanto eu escrevo aqui, vou "exorcizando" os fantasmas do passado e posso então fazer a escolha principal: Um novo ano começa, e eu escolho reescrever minha história!
Não me importa o que as pessoas vão pensar de mim.
Eu quero é celebrar a vida, comemorar vitórias e progressos; agradecer, louvar, afinal estamos vivos!
Estou escrevendo para o mundo todo ouvir!
Não tenho vergonha de dizer: ESCOLHO A VIDA!

Um comentário:

Ana Luiza disse...

Nunca vi meninha mais bonitinha q essa. Você tem todu o que precisa para ser feliz só falta enchegar em si mesma.