terça-feira, 24 de janeiro de 2006

Medo, eu? Não! Sou Rebas do Cerrado!

Outro dia fui ao dentista, reparei que fazia muito tempo que eu não fazia uma visita... O dentista me perguntou se eu tenho medo. Eu confirmei que tenho medo, mas o problema não era o medo. Eu disse: "eu sempre tenho medo, enfrento e depois aguento as consequências..." Já fiz muitos tratamentos odontológicos em circunstâncias diferentes, todas as vezes o sofrimento durante e depois foi terrível e eu custei muito a superar.
Eu sempre tive muitos medos: de escuro, assalto, dor, perdas, medo do desconhecido... (eu não consegui listar os meus medos... a lista parecia muito maior!) Percebi, que mesmo sentindo medo eu fui em frente, por diversas vezes eu parei ao prever o risco, a ameaça e temendo, demorei a tomar uma decisão; mas, depois eu aprendi a enfrentar o medo. Não estou dizendo que sou "super corajosa", mas, apenas dou um jeito de seguir adiante, correr o risco, pode até ser que dessa vez seja diferente...
Ao evitar a "dor" que é consequência de algum procedimento cirúrgico ou odontológico eu acho que estou evitando também outras dores inevitáveis, consequências de enfrentamentos e discussões. Nos relacionamentos humanos, muitas vezes, sentimos medo: de aproximar, puxar conversa, conhecer, decepcionar ou sofrer, por exemplo. A timidez muitas vezes é a explicação para o medo de não ser aceito.
Eu, particularmente, odeio pensar na possibilidade de magoar alguém, ofender, trair, esquecer, não ser aceita... Muitas vezes fui contida, reprimida por essa causa. Simplesmente, ia guardando as coisas, evitando o confronto durante muito tempo e finalmente, um dia, quando já não aguentava mais, explodia, falava, gritava, esperneava; como se aquela pequena gota d'água tivesse feito transbordar uma represa inteira...
Sei que sou teimosa, persistente, não desisto facilmente de alguma coisa, às vezes sistemática, colocando as coisas sempre no mesmo lugar, na mesma posição, automaticamente fazendo algumas coisas da mesma maneira. Uma alteração na rotina, às vezes, me perturba um pouco, mas não tanto quando a rotina se prolonga por muito tempo. Eu gosto muito de sair da rotina, fazer coisas novas, ir a lugares diferentes, "errar o caminho" quando estou dirigindo. Me dá uma alegria, descobrir um caminho novo, experimentar novos sabores, lugares e conhecer novas pessoas... (Ihh! Acho que me perdi, fui mudando de assunto até chegar aqui, acho que isso deve significar alguma coisa..., não sei!)
Estava falando sobre o perigo de magoar pessoas, ofender. Nunca gostei de correr o risco de ferir alguém com minhas atitudes ou palavras. Também, quem é que gosta de ser rejeitado, magoado ou ofendido por uma pessoa que nem conhece ainda! Vivia pensando no quê as pessoas esperavam de mim, se iriam gostar, me aceitar como eu sou. Então, defender a opinião quando ela é diferente, para mim, parece ser muito difícil! Dizer que não concordo, que penso de outra maneira, que do meu ponto de vista, eu acho... parece mais difícil do que fazer um concurso com teste físico, trabalhar o dia todo depois do plantão ou depois de passar a noite acordada digitando um trabalho da faculdade!
Já fui muito ousada, arisca e aventureira. Fiquei triste quando percebi que já tinha sido usada ou prejudicada por querer ajudar as pessoas a qualquer custo. Parece que o medo de sofrer aprisiona a pessoa na timidez, solidão; mas a ousadia de querer fazer parte da vida de outras pessoas pode trazer consequências piores que a dor do tratamento de canal!
Recentemente, descobri que andar de bicicleta em estradas de terra é muito bom! O Montain Bike é um esporte radical e muito instrutivo, vou explicar...
Quando estou percorrendo uma trilha pela primeira vez eu não sei o que me espera pelo caminho, não sei se a ladeira será difícil, ou se na descida terá muito cascalho. Será que depois daquela curva a estrada estará melhor ou pior, será que vou conseguir completar o percurso, será que vou cair... ou não.
Estou participando de um grupo de ciclistas chamado Rebas do Cerrado, as pessoas se reúnem para fazer passeios de bicicleta por caminhos inesperados. Cada trilha tem seu percurso, planilha de orientação, mas sempre, sempre acontece alguma coisa diferente. Conhecemos pessoas diferentes, compartilhamos estreitos espaços e corremos muitos tipos diferentes de riscos em caminhos de dezenas de quilômetros. Só que o incrível acontece! O inesperado, o surpreendente, a queda, o machucado não impedem que voltemos a nos encontrar na próxima trilha.
Em muitos momentos pedalo sozinha, a minha frente uma enorme colina se apresenta muito perigosa, cascalho solto, valas, pedras no caminho; mas, eu consigo seguir, sem saber se vou me machucar, se vou chegar ao fim inteira! Muitas vezes caí, me machuquei, precisei pedir ajuda, resgate... por incrível que pareça, passo a semana inteira aguardando o próximo encontro, desafio, conquista.
O grupo é grande, já somos mais de mil inscritos, não sei o nome de muitas pessoas, nem sempre reencontro as mesmas que conheci na semana anterior. Uma coisa me fortalece, eu sei que alguém estará lá para me dar a mão, gritando "Foto!", me ajudando a levantar, sacudir a poeira e continuar pedalando pelo caminho, perigoso mas seguro...
Parece que o perigo aumenta a satisfação de concluir o percurso. .. A união do grupo, amizade, apoio de quem nunca vi antes, me fortalecem e consigo enfrentar o desafio, a superar meus limites físicos e emocionais, a construir redes de relacionamento que me ajudam a sair da depressão, da solidão.
Já não tenho medo de ousar, de conhecer pessoas, não sei o que elas vão pensar de mim, não sei que que partido são e nem qual é o time do seu coração... Não sei a profissão, se tem filhos, se gostam de comer jiló...
Só sei que estão lá, reunidos por um lema que diz tudo: "Pedalando ou empurrando, chegamos lá!"
Espero, sinceramente, empurrar menos e pedalar mais, subindo as ladeiras sem desistir, completando o percurso mesmo depois que tiver caído, me levantar e compartilhar a alegria de aprender a viver!

Nenhum comentário: