domingo, 28 de janeiro de 2007

Meu reencontro...

Luiza Helena
Ele nem sabe ainda, mas, nossa história de amor começou muito antes, exatamente por volta de 85, quando conheci sua poesia e suas canções. A letras românticas falando daquele amor platônico, tão distante tão real, fizeram parte de minha adolescência, me acompanharam, a cada namoro rompido e cada reconciliação.
Muitos encontros e desencontros ocorreram enquanto eu estudava e começava a trabalhar, por volta dos 19 anos. Buscando conhecer a vida e as pessoas, me relacionava com uns e outros, tentando achar a minha alma gêmea... Não cansava de buscar, procurava em todos os lugares, teatros, bailes, no trabalho, na igreja, nos bares...
Enquanto isso curtia as baladas ao som suave da sua música, às vezes, pensava que ele escrevia especialmente para mim, com meus conflitos juvenis, dificuldades, timidez e rejeições. Não entendia como ele conseguia, a cada novo lançamento, tratar especialmente daquele momento da minha vida, e ao mesmo tempo tinha certeza de que ele só estava declamando melodias a partir dos seus próprios sentimentos.
Isso mesmo, o poeta na sua simplicidade de artista consegue traduzir e expressar a alma do povo. Somos todos iguais, feitos de corpo, alma e sentimentos... Cada um é único e especial, mas ao mesmo tempo Arantes conseguia dar palavras suaves e fortes, tristes e otimistas, apaixonadamente romântico como alguém que ama, sobretudo, a vida.
Pois é, acho que estou enrolando muito...rsrs...
Nosso primeiro encontro aconteceu por volta de 86 ou 87, se não me falha a memória!
No Grande Circular (uma casa de espetáculos em Brasília, muito singular, pois o palco ficava no picadeiro como um circo e as arquibancadas rodeavam em meia lua, era utilizado para muitos tipos de apresentação e oferecia um preço considerado popular naquela época devido à campanhas de incentivo à cultura. Deixou saudades...) o show foi anunciado com grande antecedência, e eu e três amigas do trabalho combinamos de comprar os ingressos antecipados para garantir nossa presença naquele evento imperdível.
Finalmente, apesar de atrasado, saiu o pagamento, comemoramos juntas e depositamos nosso dinheirinho na mão da amiga mais fiel e mais desenvolta. "Pode de deixar, compro nossos ingressos e encontro vocês lá!"
No dia do inesquecível show, não conseguíamos encontrar nossa amiga, faltou ao trabalho, não atendia o telefone... As outras duas me disseram que infelizmente estavam desistindo de assistir ao nosso ícone do momento. Eu falei: "Não podemos perder a primeira apresentação do Guilherme Arantes em Brasília!"
Não teve jeito, tive que ir sozinha, e como sou muito tímida, foi um verdadeiro desafio. Elas disseram que eu não teria coragem, pois é, se arrependeram!. risos... Tiveram que me engolir contando em detalhes as emoções que vivi naquele glorioso encontro.
Vesti e tirei centenas de peças de roupas, imaginando se estaria de acordo, não era de muito sair, sempre estudei bastante, meus melhores amigos são os livros. Não sabia qual seria a forma adequada de comparecer a um evento assim tão importante... para mim! Decidi usar tênis, um jeans básico, a já famosa camiseta branca e por cima, só pra proteger do vento frio da noite, coloquei uma camisa azul que havia seqüestrado no guarda-roupa do meu pai.
Ainda faltava conseguir o ingresso... e agora, como faria?
Peguei o restante das minhas economias e saí, juntei toda a minha "cara de pau" e fui sofrendo no circular até chegar na rodoviária pensando em como iria descobrir um cambista pra comprar o ingresso? Sei lá... Quando chegar eu vejo!
Chegando havia uma fila enorme, as pessoas aguardando para entrarem na sala de espetáculos, e eu ficando com mais medo de não conseguir... tenho uma dificuldade imensa em aceitar frustrações...
De repente... ouvi um grito...
- "Ei moça!..." apressei o passo, o que será?... Tive medo, estava desacompanhada...
- "Péraí... Moça!" ele apressou o passo em minha direção... hoje não é o meu dia ... "Jesus, me protege!", pensei enquanto meu coração disparava...
- "Moça, Quer um ingresso?" nem acreditei no que ouvia, será que é verdade?
- "Moça, tenho ingresso num bom preço!"
Parei e pensei, Jesus é mesmo muito bom! Não só ouviu meu clamor, como providenciou o que eu precisava na hora certa, pois a fila já havia seguido para dentro do teatro e o show estava começando... Consegui ouvir os primeiros acordes enquanto passava apressada pelos portões, os seguranças me encaminhavam na direção do meu assento, cada vez mais pra perto do palco... ???
Meu coração batia mais forte. Será que agüento tanta emoção? O ingresso que aquele rapaz me vendeu era na segunda fila! Me aproximei procurando minha posição e percebi muitas pessoas me olhando, fiquei ruborizada... Nem acreditei no que vi, o locutor avisava que adentrava o palco: o fabuloso Guilherme Arantes! Brilhos de flashs e o som forte do piano, eu já estava chorando de emoção nesta hora...
Finalmente consegui! e o melhor de tudo, estava ali de frente ao meu cantor favorito e entendi porque tanta gente me olhava, assim com admiração... Eu estava exatamente com o mesmo figurino dele, mas como? se perguntavam... Eu comecei a rir e a cantar, como nunca tinha cantado antes... Acho que pensaram que eu era sua amiga ou coisa parecida e tínhamos combinado: tênis, calça jeans, camiseta branca e camisa azul de mangas compridas... Me senti a própria celebridade! E curti, me deliciei, com a minha sorte naquele dia.
Quando a vi...
Logo ali, tão perto
Tão ao meu alcance
Tão distante, tão real ,
Tão bom perfume...
Sei lá!
Sei que estou me prolongando, mas não vou deixar de contar o verdadeiro motivo de estar escrevendo hoje. Nesses mais de 20 anos, trabalhei, estudei, me casei, tive filhas, me formei, amei e fui amada a cada dia; vivi intensamente cada etapa da minha vida... Hoje sou uma quarentona, separada, rejeitada, vendo as rugas surgindo no meu rosto, sentindo a pressão da gravidade cada vez mais forte... Me deprimi, busquei ajuda, já estou em processo de recuperação, afinal; foram 16 anos de vida dedicada à marido e filhas, adiei alguns sonhos, batalhei juntamente com o antigo companheiro em busca de novas conquistas e desafios da vida em família. Considerava o NÓS mais importante do que o EU. Tudo bem, "acertando e errando, mas sempre aprendendo a jogar..."
Nada melhor do que um dia após o outro. Quando menos esperava, vi um anúncio: Guilherme Arantes no Café Cancun em Brasília. Não pude evitar, verifiquei todos os detalhes, me arrumei, foi um encontro importante, não apenas com o poeta que embalou meus sonhos e desencantos com suas belas melodias. Encontrei aquela jovem romântica que sonhava com o príncipe encantado que a tiraria deste mundo e a levaria para reinar numa terra cheia de leite e mel. Sou grata a Deus por minha família, saúde e vida.
Estou aqui retomando um antigo amor... Amor pela letra, pela poesia, a arte de escrever e contar histórias cheias de emoção. Obrigada Guilherme Arantes, nosso show foi lindo! Cheio de fortes emoções, chorei, sorri, amei! Obrigada por não ter desistido de escrever suas canções, sinto pelos discos não vendidos, sinto por nosso mundo estar cheio de pirataria e dominado pelos marqueteiros de plantão. Não me importo se você não aparece na televisão. Acredito em você e no seu sonho de valorizar nossa própria cultura, de dar sua cor e seu som tão verdadeiro à MPB.
Entra em cena
Faz seu número
Faz meu gênero
Ser seu fã nº1
Ali, no gargarejo
Jogando beijo.

Obrigada também pela foto! Valeu a espera! Foi um bom reencontro!

Nenhum comentário: