segunda-feira, 31 de dezembro de 2007

quinta-feira, 20 de dezembro de 2007

POEMA DE NATAL

Vinícius de Moraes

Para isso fomos feitos:
Para lembrar e ser lembrados,

Para chorar e fazer chorar,
Para enterrar os nossos mortos -
Por isso temos braços longos para os adeuses,
Mãos para colher o que foi dado,
Dedos para cavar a terra.

Assim será a nossa vida;
Uma tarde sempre a esquecer,
Uma estrêla a se apagar na treva,
Um caminho entre dois túmulos -
Por isso precisamos velar,
Falar baixo, pisar leve, ver
A noite dormir em silêncio.

Não há muito que dizer:
Uma canção sobre um berço,
Um verso, talvez, de amor,
Uma prece por quem se vai -
Mas que essa hora não esqueça
E que por ela os nossos corações
Se deixem, graves e simples.

Pois para isso fomos feitos:
Para a esperança no milagre,
Para a participação da poesia,
Para ver a face da morte -
De repente, nunca mais esperaremos...
Hoje a noite é jovem; da morte apenas
Nascemos, imensamente.

quarta-feira, 19 de dezembro de 2007

Presente de Natal

Queria escrever bem bonito! mas como ainda estou engatinhando nas artes das letras, deixo aqui pros meus amigos uma mensagem que peguei emprestada do poeta Edson Marques:


Presente de Natal

O presente de Natal que eu quero te dar
não pode ser comprado:
Não tem nas lojas, nos mercados, nas feirinhas, nos balcões...
Não é feito de plástico, não é eletrônico,
nem precisa de manual.

O presente de natal que eu quero te dar
está dentro do teu próprio coração.

Basta que você o desperte para a vida:
É o amor pela liberdade pura e simples.
É a admiração pela Arte de Viver.

A defesa inabalável da idéia de justiça,
de verdade e de prazer.
A coragem deliciosa de sonhar transformações.
A busca cotidiana por tudo que é sublime.
E o doce desejo de sugar o açúcar de todas as coisas.
Feliz Natal !

Edson Marques
No Livro Solidão a Mil - página 160.

terça-feira, 11 de dezembro de 2007

Eu posso??

A liberdade é perigosa.
A vida livre é muito arriscada, é cheia de surpresas, insegura, incerta, cheia de perigos e de buscas, mudanças, sobressaltos.
A liberdade é muito perigosa.
Só aqueles realmente senhores de si é que podem ser livres, e amar isso tudo.
Só aqueles que são donos do próprio destino é que arriscam a vida para salvar a própria vida.
A liberdade, portanto, não é para qualquer um:
os acomodados e os covardes não conseguem ser livres.
A liberdade é muito perigosa:
ela é apenas para aqueles que não tem medo.


Fonte: MARQUES, Edson. Manual da Separação.
Vol. II: Presente de Casamento. São Paulo: 1998.