quarta-feira, 31 de dezembro de 2008

Cuide-se Bem! Feliz 2009!


Composição: Guilherme Arantes

Cuide-se bem, perigos há por toda a parte

E é bem delicado viver de uma forma ou de outra
É uma arte como tudo

Cuide-se bem, tem mil surpresas a espreitar
Em cada esquina mal iluminada, em cada rua estreita
Em cada rua estreita do mundo

Prá nunca perder esse riso largo
E essa simpatia estampada no rosto (2x)

Cuide-se bem, eu quero te ver com saúde
E sempre de bom humor e de boa vontade
E de boa vontade com tudo

Prá nunca perder esse riso largo
E essa simpatia estampada no rosto (2x)


*************************

domingo, 28 de dezembro de 2008

Desejo...



Amor pra recomeçar

Composição: Frejat/Mauricio Barros/Mauro Sta. Cecília


Eu te desejo não parar tão cedo
Pois toda idade tem prazer e medo
E com os que erram feio e bastante
Que você consiga ser tolerante

Quando você ficar triste
Que seja por um dia, e não o ano inteiro
E que você descubra que rir é bom,
mas que rir de tudo é desespero

Desejo que você tenha quem amar
E quando estiver bem cansado
Ainda, exista amor pra recomeçar
Pra recomeçar

Eu te desejo, muitos amigos
Mas que em um você possa confiar
E que tenha até inimigos
Pra você não deixar de duvidar
Quando você ficar triste
Que seja por um dia, e não o ano inteiro
E que você descubra que rir é bom,
mas que rir de tudo é desespero

Desejo que você tenha quem amar
E quando estiver bem cansado
Ainda, exista amor pra recomeçar
Pra recomeçar

Eu desejo que você ganhe dinheiro
Pois é preciso viver também
E que você diga a ele, pelo menos uma vez,
Quem é mesmo dono de quem

Desejo que você tenha a quem amar
E quando estiver bem cansado
Ainda, exista amor pra recomeçar

Eu desejo que você tenha quem amar
E quando estiver bem cansado
Ainda, exista amor pra recomeçar.


****************************

Os Votos


de Sérgio Jockymann.


“Pois desejo primeiro que você ame e que amando, seja também amado.
E que se não o for, seja breve em esquecer e esquecendo não guarde mágoa.
Desejo depois que não seja só, mas que se for, saiba ser sem desesperar.
Desejo também que tenha amigos e que mesmo maus e inconsequentes sejam corajosos e fiéis.
E que em pelo menos um deles você possa confiar e que confiando não duvide de sua confiança.
E porque a vida é assim, desejo ainda que você tenha inimigos, nem muitos nem poucos, mas na medida exata para que algumas vezes você interprete a respeito de suas próprias certezas.
E que entre eles, haja pelo menos um que seja justo para que você não se sinta demasiadamente seguro.
Desejo depois que você seja útil, não insubstituívelmente útil mas razoavelmente útil.
E que nos maus momentos, quando não restar mais nada, essa utilidade seja suficiente para manter você de pé.
Desejo ainda que você seja tolerante, não com que os que erram pouco, porque isso é fácil, mas com aqueles que erram muito e irremediavelmente.
E que essa tolerância nem se transforme em aplauso nem em permissividade, para que assim fazendo um bom uso dela, você dê também um exemplo para os outros.
Desejo que você sendo jovem não amadureça depressa demais,e que sendo maduro não insista em rejuvenescer,e que sendo velho não se dedique a desesperar.
Porque cada idade tem o seu prazer e a sua dor e é preciso deixar que eles escorram dentro de nós.
Desejo por sinal que você seja triste, não o ano todo, nem um mês e muito menos uma semana,mas um dia.
Mas que nesse dia de tristeza, você descubra que o riso diário é bom, o riso habitual é insosso e o riso constante é insano.
Desejo que você descubra com o máximo de urgência, acima e a despeito de tudo, talvez agora mesmo, mas se for impossível amanhã de manhã, que existem oprimidos, injustiçados e infelizes.
E que estão estão à sua volta, porque seu pai aceitou conviver com eles.
E que eles continuarão à volta de seus filhos, se você achar a convivência inevitável.
Desejo ainda que você afague um gato, que alimente um cão e ouça pelo menos um João-de-barro erguer triunfante seu canto matinal.
Porque assim você se sentirá bom por nada.
Desejo também que você plante uma semente por mais ridículo que seja e acompanhe seu crescimento dia a dia, para que você saiba de quantas muitas vidas é feita uma árvore.
Desejo, outrossim, que você tenha dinheiro porque é preciso ser prático. E que pelo menos uma vez por ano você ponha uma porção dele na sua frente e diga: Isto é meu.
Só para que fique claro quem é o dono de quem.
Desejo ainda que você seja frugal, não inteiramente frugal, não obcecadamente frugal, mas apenas usualmente frugal.
Mas que essa frugalidade não impeça você de abusar quando o abuso se impor*.
Desejo também que nenhum de seus afetos morra, por ele e por você. Mas que se morrer, você possa chorar sem se culpar e sofrer sem se lamentar.
Desejo por fim que,sendo mulher, você tenha um bom homem que sendo homem tenha uma boa mulher.
E que se amem hoje, amanhã, depois, no dia seguinte, mais uma vez e novamente de agora até o próximo ano acabar.
E que quando estiverem exaustos e sorridentes, ainda tenham amor pra recomeçar.
E se isso só acontecer, não tenho mais nada para desejar”

Folha da Tarde - Porto Alegre - 30 de Dezembro de 1978

Fonte: Blog de Emílio Pacheco

sexta-feira, 26 de dezembro de 2008

Feliz aniversário!

Neste dia By Luelena completa 3 anos de existência.
Tem sido uma experiência interessante...
Este espaço não é um diário, muito menos fonte de notícias.
Escrevo e compartilho meus pensamentos e sonhos.
Sei que as músicas que ouço e os sentimentos que me ocupam nem sempre são de interesse coletivo, mas tenho percebido que muitas pessoas se identificam com minhas dúvidas e reflexões.
No início em 2006 eu vivia triste e abatida.
Hoje, sou feliz por ter conhecido pessoas interessantes que hoje fazem parte de minha família virtual. Amigos que moram longe, mas que me visitam mais regularmente que os amigos "reais".
Sou grata, primeiramente a Deus por esta vida, e a todos que navegaram pelas minhas páginas repletas de lágrimas e divagações.
Desejo que neste próximo ano possamos compartilhar muito mais curiosidades e outras coisinhas mais.
Então, vamos celebrar!
Um grande abraço.

*******************
As Freneticas - Abra suas asas

Dancin Days - As Frenéticas


Composição: Nelson Motta / Rubens Queiroz

Abra suas asas
Solte suas feras
Caia na gandaia
Entre nessa festa!...

E leve com você
Seu sonho mais lou
Ou ou ou louco
Eu quero ver esse corpo
Lindo, leve e solto!...

A gente as vezes
Sente, sofre, dança
Sem querer dançar...

Na nossa festa
Vale tudo
Vale ser alguém
Como eu!
Como você!...

Abra suas asas
Solte suas feras
Caia na gandaia
Entre nessa festa!...

E leve com você
Seu sonho mais lou
Ou ou ou louco
Eu quero ver esse corpo
Lindo, leve e solto!...

A gente as vezes
Sente, sofre, dança
Sem querer dançar...

Na nossa festa
Vale tudo
Vale ser alguém
Como eu!
Como você!...

A gente as vezes
Sente, sofre, dança
Sem querer dançar...

Na nossa festa
Vale tudo
Vale ser alguém
Como eu!
Como você!...

Dance bem
Dance mal
Dance sem parar
Dance bem
Dance até
Sem saber dançar...(2x)

Na nossa festa
Vale tudo
Vale ser alguém
Como eu!
Como você!...(3x)

Dance bem
Dance mal
Dance sem parar
Dance bem
Dance até
Sem saber dançar...(4x)

Dance bem!
Dance mal!
Dance bem!
Dance até!...(4x)

Mas, dance bem
Dance mal
Dance sem parar
Dance bem
Dance até
Sem saber dançar...(4x)

Na nossa festa
Vale tudo
Vale ser alguém
Como eu!
Como você!...(4x)

quarta-feira, 24 de dezembro de 2008

Aniversáriante do dia - Jesus


Quem é esse?

Letra e Música: Zazo
Vocal: Doca
Grupo Céu na Boca
CD Coisas de Amigo
Brasília, 1999.

Com voz de compaixão
E um brilho no olhar...
Eu vi a sua mão sobre mim
E ouvi o seu falar.


Quem é esse que me olha assim?
Quem é esse que me fala assim?
Quem é esse que me ama assim?
É JESUS.

...............................................

Amigos,


Que entre os preparativos para a festa, ceia e troca de presentes; guardemos um tempo pra celebrar o aniversariante do dia.
Respeitando as pessoas de culturas e credos diferentes, peço licença pra ressaltar a importância de Jesus nas nossas vidas. Seu nascimento é comemorado em tantas partes do mundo mais de dois mil anos depois.
Reconheço que o consumismo tem sido abusivo, mas ainda encontramos iniciativas que valorizam o verdadeiro sentido do Natal.
Não quero ficar fazendo discursos intermináveis...
Deixo alguns links que achei interessante:
- Meiroca conta a História do presépio.
- Pras crianças a história do Presépio - Canal Kids.
- Veja fotos e como fazer - Clube Amigos do Presépio.
- Enfeites ecologicamente corretos - Arte em Reciclar.

domingo, 21 de dezembro de 2008

Ainda não sei o que eu quero da vida...

Caro leitor, boa noite!
Resolvi te escrever.
Estou um pouco confusa e preocupada, gostaria de ter certeza de que não estou perturbando você. Tenho um pressentimento de que tenho sido muito invasiva, não quero atrapalhar ou incomodar. Sinto que você leva uma vida muito ativa e ocupada, não tem tido tempo suficiente para usufruir das alegrias e dos prazeres de estar vivo.
Tenho também trabalho e ocupações, faço artesanato, ajudo minha família. Mas, sempre encontro um tempinho pra mim, principalmente nos últimos meses.
Buscar alguém e te encontrar Leitor tem sido uma experiência muito agradável, mas, tenho medo que se canse de mim antes mesmo de me conhecer.
Digo agora um pouco do que espero da vida:
Quero materializar meu interesse, sentimentos e desejos.
Quero ouvir vozes no meu ouvido, falando palavras de admiração e afeto, utilizando todos os sentidos. Aceito as críticas e sugestões, pois me fazem crescer e me tornar alguém melhor.
Quero saber onde realmente combinamos, quais as nossas semelhanças e diferenças, quero aprender coisas contigo, quero lhe contar histórias e compartilhar lembranças.
Quero participar da sua vida, e sua presença seja constante na minha também.
Quero viver o presente, o agora, o hoje, quero ser feliz hoje, aproveitar cada minuto, segundo de vida, cada respiração e ação. Quero saborear, degustar, provar, beber, sorver toda a alegria de estar viva.
Quero que você saiba o quanto é especial e o quanto pode contribuir para a felicidade das pessoas, mesmo as que estão à quilômetros de distância.
Quero desistir das desilusões do passado e não ficar aguardando ansiosa as possibilidades do futuro.
Quero viver cada dia como se fosse o último, e não me arrepender por não ter tentado ou experimentado a possibilidade de ser.
Quero ser amiga, amante, companheira, secretária, cuidadora, parceira; quero ser amada... Quero pertencer, quero saber que alguém me queira, me procure, me busque e me ache... Quero ser encontrada também, quero ser importante, necessária, integrante, indispensável...
Leitor, espero que não se assuste com meu desabafo, mas saiba que estou aproveitando para atirar fora todos os sentimentos e pensamentos, para que desocupem minha mente e me permitam começar amanhã outro dia, diferente, cheio de esperanças, cheio de desejos e sonhos.
Quero voltar a sonhar, mas preciso dormir para libertar meus pensamentos e sentimentos. Sinto que ainda estou muito presa, acorrentada a velhos tabus e medos do meu passado e venho lutando para conseguir alforria, libertação; gostaria que as mudanças acontecessem rápido, estou sem paciência para esperar, as noites são muito longas, e os dias curtos e corridos.
Às vezes, penso que nem deveria escrever textos cheios de discursos longos e confusos, mas acredito que estou escrevendo, pra mim mesma ouvir, ler, entender, coisas que povoam e correm pela minha cabeça...
Leitor me perdoe! Acho que estou usando você. Não se sinta menos especial e único por isso. Estou lhe confiando minha essência, minhas dúvidas e ilusões, deixando em suas mãos todas as palavras sem nexo que não me deixam adormecer. Lavo o teclado com minhas lágrimas de insegurança e dúvida, não se comova, nem precisa me responder...
Poderia estar escrevendo uma história de ficção cujos personagens pudessem transparecer minhas dúvidas e desilusões, mas não sei ainda como transcrever essas dores e amores para enredos que possam interessar outras pessoas.
Fico aqui pensando em quanto tempo você vai perder, lendo e tentando entender estas palavras perdidas na madrugada...
Espero que tenha bons sonhos e ao amanhecer, iniciar seu dia de trabalho e suor, tenha alguns minutos para pensar em mim como uma história boa que está iniciando assim, meio sem jeito, meio à toa, nesse "chove não molha", nesse bláblablá, e coisa e tal...


Beijos e abraços!
Feliz Natal para todos!

terça-feira, 16 de dezembro de 2008

Reflexões

Estamos quase no fim do ano, e já estou envolta com minhas reflexões e questionamentos.
Nesta época sempre faço meu "balanço" pessoal. Verifico quais as resoluções do ano anterior consegui concretizar? Muitas vezes tenho a maior boa vontade pra modificar pensamentos e atitudes, mas acabo desanimando por uma série de motivos e circunstâncias que muitas vezes nem dependem da minha determinação. Não compreendo como deixo que essas "intercorrências" atrapalhem meu desejo de mudança e evolução. Pensando bem, pra esse negócio dar certo eu precisava fazer reflexões diárias, pra isso eu me utilizo de Algumas Perguntas que encontrei no blog MUDE do meu amigo Edson Marques.
Mas eu tomei a Liberdade de fazer umas pequenas Mudanças:

Quantas vezes hoje meditei sobre a Vida?
Quantos minutos dediquei à ginástica?
Quanto tempo hoje acariciei um corpo humano?
Quais os alimentos saudáveis que vou comer?
Tenho seguido o que me diz o meu maluco coração?
Quanta suavidade existe nos meus relacionamentos?
Quais são as coisas novas que aprendi hoje?
Quantas pessoas hoje abracei sinceramente?
Quantos livros estou lendo?
Quando foi o meu último orgasmo?
Quantas vezes hoje pensei no Amor?
Quantas vezes olhei no espelho e sorri?
Quanto prazer e alegria o meu trabalho proporciona?
Hoje, quais as coisas belas que vou criar e viver?
Já tomei um pouco de sol hoje?
Terei tempo de contemplar a lua e as estrelas?
Como está o meu Planejamento Estratégico Pessoal?
Como vai minha Liberdade?
Quais são os meus Sonhos?
O que é que Eu quero da Vida?

quarta-feira, 10 de dezembro de 2008

Boa notícia


Um músico, um poeta, um amigo, enfim; um irmão esteve doente...
Hoje está muito bem Graças a Deus e está lançando seu livro.
"E a oração da fé salvará o enfermo, e o Senhor o levantará:" Tiago 5:15a.


As crônicas e os Contos de Zazo são uma coletânea de histórias curtas. Algumas são crônicas narrativas. Outras, por serem mais densas, são contos. Todas abordam aspectos do cotidiano, a maioria na vida de pessoas cristãs. Você vai rir e chorar. Vai aprender mais sobre si mesmo e, talvez, encontrar-se, de alguma forma, nas histórias deste livro, que ensina por meio do entretenimento.

Quem quiser se deliciar com os "causos" do amigo Zazo, pode visitar o Mercado Evangélico.

Não Desista


Antes de você desanimar porque fracassou em alguma coisa, pense que somente alcança o sucesso quem insiste, apesar de tudo.
Fred Astaire, o famoso ator que encantou as telas do cinema dançando e fez mais de 40 filmes , ao fazer seu primeiro teste para o cinema, recebeu as informações de que não sabia atuar. Era careca, dizia o relatório, e ainda dançava pouco. Em 1950 ganhou um Oscar honorário e em 1970 em Prêmio UNICRIT, concedido no Festival de Berlim em reconhecimento à sua contribuição ao gênero musical
O professor de Enrico Caruso dizia que ele não tinha voz e não era capaz de cantar. Acreditando nisso, os pais de Enrico queriam que ele fosse engenheiro. Ele não desistiu e se tornou famoso cantor de Ópera, admirado até os dias atuais. Além de excepcional cantor também era um excelente cartunista.
Winston Churchill foi reprovado na sexta série. Somente se tornou primeiro ministro da Inglaterra depois dos 60 anos. Sua vida foi cheia de derrotas e fracassos. Mas ele nunca desistiu. Chegou a dizer um dia: "eu deixaria a política para sempre, se não fosse a possibilidade de um dia vir a ser Primeiro-Ministro." Conseguiu. E talvez poucos saibam: ele foi Prêmio Nobel de literatura em 1953, por suas memórias da segunda guerra mundial.
Walt Disney foi despedido pelo editor de um jornal por falta de ideias. Você pode imaginar tal coisa? Antes de construir a Disneylândia, foi à falência diversas vezes. Nunca desanimou.
Richard Bach teve recusado a sua história de dez mil palavras por 18 editoras. Era a história de uma gaivota que planava. Uma gaivota chamada Fernão Capelo Gaivota. Por não ter desistido, em 1970 a Macmillan publicou a história e em 5 anos vendeu mais de 7 milhões de exemplares, só nos Estados Unidos.
Rodin era considerado por seu pai como um idiota. Seu tio dizia que ele era um caso perdido. Por três vezes ele foi reprovado na admissão à escola de artes. Descrito como o pior aluno da escola, Rodin não desistiu e deu ao mundo maravilhas da escultura como o pensador, o beijo e filho pródigo. Chegou a ficar afastado do mundo das artes por dez anos, quando teve uma de suas obras recusada para exposição. Contudo, em 1900, em paris, foi lhe destinado um pavilhão inteiro para a mostra de 168 trabalhos seus.
Assim acontece com todos os que perseguem os seus sonhos, não se permitindo desanimar por fracassos, derrotas ou julgamentos precipitados.


Portanto, se você está a ponto de desanimar, pare um pouco e pense. Logo haverá de descobrir que ainda há muitas tentativas a serem feitas. Há muita gente a ser procurada, muitos dias a serem vividos, e muitas conquistas a alcançar.
Não há limites para quem acredita que pode atingir os seus objetivos, que pode concretizar os seus projetos.
Pense nisso e tente outra vez. E outra mais. Não se deixe abater por críticas, por experiências mal sucedidas.
Vá em frente. Tente de novo e verá que os seus esforços alcançarão êxito.
..............................................................

Com este texto estou propondo uma leitura interativa. O leitor passando o mouse sobre o texto vai encontrar links para páginas onde encontrará outras informações que podem ser interessantes para quem quer aprender mais. Se for tão curioso quanto eu vai aproveitar!
E quem tiver tempo pode ver mais em:

- Adoro Cinema
- Wikipedia
- Mensagens de otimismo
- Saber Cultural.

quinta-feira, 4 de dezembro de 2008

Voltei!

Paulinho Pedra Azul - Jardim da Fantasia


Jardim da Fantasia

Luciano Pacco
Composição: Paulinho Pedra Azul

Bem te vi, bem te vi
Andar por um jardim em flor
Chamando os bichos de amor
Tua boca pingava mel
Bem te quis, bem te quis
E ainda quero muito mais
Maior que a imensidão da paz
Bem maior que o sol
Onde estás?
Voei por este céu azul
Andei estradas do além
Onde estará meu bem
Onde estás?
Nas nuvens ou na insensatez
Me beije só mais uma vez
Depois volte prá lá.


Vocês querem ver mais e ouvir o bem-te-vi?
É só visitar a página
http://www.mrm.mendes.nom.br/bem-te-vi-2007-08-05-00.htm

sexta-feira, 21 de novembro de 2008

Vou participar!


Feira Nacional de Artesanato / Belo Horizonte

A Maior Feira Nacional de Artesanato da América Latina.
De 25 a 30 de novembro em Belo Horizonte/MG no Expominas.
Mais informações no site:
http://www.feiranacionaldeartesanato.com.br/

quarta-feira, 19 de novembro de 2008

Sinto muito!


Venho publicamente me desculpar.
Prometi participar da blogagem coletiva sobre adoção na semana passada.
Estou envergonhada...

terça-feira, 11 de novembro de 2008

Ainda estou presa nas armadilhas do tempo...

Em Março 2007 eu escrevi:


Me pergunto como posso prosseguir se nunca tenho tempo suficiente pra fazer as coisas que gosto. Tenho demorado tanto tempo fazendo as coisas que são necessárias, satisfazendo as exigências da família e da sociedade, correndo atrás do tempo perdido que não volta mais... Quando chegará a minha vez, o meu tempo de ser feliz de satisfazer os meus desejos e necessidades?
Preciso dormir cedo pra trabalhar cedo. Que pena! Nem posso ficar namorando a linda lua que brilha reluzente ofuscando as pequeninas estrelas encantadoras e misteriosas...
Preciso correr pra não chegar atrasada no serviço. Mal posso cumprimentar o vizinho que passa apressado a caminho da padaria a buscar o pão pra sua família...
Pego o carro e saio apressada. Nem posso observar o brilho do sol que desponta em um céu tão azul que me ofusca, muito menos o passarinho que voa deixando sua marca no meu para brisa...
Mas que coisa chata! O semáforo tinha que estar vermelho justamente nessa hora? E porque justamente eu, porque justamente agora, mais um sinal fechado, parece que o tempo conspira contra meu desejo de chegar pontualmente no serviço... Que pena! Despertar da minha reflexão matutina com a buzina do carro de trás que me ultrapassa apressado como ele só.
Sou rebelde! Não tenho jeito mesmo! Eu teimo em ficar reparando a beleza das pequenas coisas do mundo e da vida e me perco no caminho, (muitas vezes literalmente) e me vejo retornando pra pegar o caminho certo e sentindo a angústia crescendo em meu peito e o atraso aumentando no relógio. Não posso ser escrava do tempo!
Não quero obedecer o ritmo louco imposto pela rotina social e pelas normas de trabalho. Muitas vezes num piscar de olhos, nem vejo o tempo passar. Pôxa! Já é segunda feira novamente! Nem descansei bastante, nem ouvi pássaros cantando, nem abracei minhas filhas hoje, nem senti a suave brisa entrando pela janela e desarrumando carinhosamente meus cabelos.
Vivo chegando atrasada nos lugares, nos amores, nos parques, na vida...
Tenho tempo pra sorrir? Sim! Tenho tempo pra amar? Sim!
Tenho tempo pra gostar de viver? Tenho sim, senhor!
Me recuso a deixar passar esse tempo tão precioso, tão gostoso, minha infância, juventude... Não posso crer que completei 42 anos! O que foi que fiz, o que vivi nesse tempo?
Meu corpo se recusa a acreditar, me revolto, me rebelo e teimo em viver cada dia como se fosse o último, o único, com tamanha intensidade que nem me importo mais quando dizem que cheguei atrasada novamente...

quinta-feira, 6 de novembro de 2008

Doar sangue é doar vida

Doar faz bem.
Doar Sangue não afina nem engrossa o sangue, não engorda nem emagrece, não vicia e faz bem para a conciência.

Doar sangue é seguro.
Todo material utilizado na coleta de sangue é descartável. Ao doar sangue, você vai ser orientado e acompanhado por experientes profissionais de saúde.

O que é preciso para doar sangue?
Você precisa ter entre 18 e 65 anos, estar com boa saúde, pesar mais de 50kg, não estar de jejum e levar um documento de identidade.

Informação é fundamental.
Quando for doar sangue lembre-se de responder corretamente às perguntas durante a entrevista. O sangue seguro começa com doador de sangue.
Você pode doar sangue nos postos fixos do Hemocentro do seu estado.
As coletas também podem ser feitas através das equipes móveis.
Para ter mais opções, procure a Secretaria de Saúde do seu estado
Para saber mais:
Fundação Pró-Sangue – Hemocentro de São Paulo
Instituto Estadual de Hematologia Arthur de Siqueira Cavalcanti – HEMORIO

quarta-feira, 29 de outubro de 2008

Obrigada Lulu


Nesta semana asssisti ao show de Lulu Santos aqui em Brasília. Um milagre aconteceu.
Cantei, sorri, gritei e dancei muito.
Encontrei dentro de mim uma energia que parecia não existir.
Durante os preparativos antes do evento, fiquei naturalmente ansiosa, preocupada. As colegas insistiram. "Vamos lá! Será uma oportunidade única!"
Ainda bem que não resisti muito.
Esqueci timidez, vergonha e tudo mais.
Valeu a pena! Liberei geral.
Exorcizei todos os monstros e fantasmas. Nem preciso dizer que me senti com 20 anos novamente, se bem que naquela época eu só curtia as músicas pelo rádio enquanto corria de um emprego pro outro. Nunca tinha assistido um show e sentido a energia deste artista assim tão perto.
Lulu conseguiu reanimar a juventude em mim.
Quem diria? Pressão alta? Cansaço? Onde? Quando? Não me reconheci.
Parece que os exercícios físicos e a dieta já estão fazendo efeito.
Quero mais, muito mais, qualidade de vida, saúde e força pra sacudir a poeira e dar a volta por cima.

Lulu Santos - Toda forma de amor/ Um certo alguém/ O último romântico



Toda Forma de Amor/Um Certo Alguém/O Último Romântico
(Acústico MTV)

Eu não pedi pra nascer
Eu não nasci pra perder
Nem vou sobrar de vitima
das circunstâncias
Eu tô plugado na vida
Eu tô curando a ferida
Às vezes eu me sinto
uma bala perdida

Você é bem como eu
Conhece o que é ser assim
Só que dessa história
ninguém sabe o fim
Você não leva pra casa
e só faz o que quer
Eu sou um homem
e diz você qual é?

E a gente vive junto
E a gente se dá bem
Não desejamos mal a quase ninguém
E a gente vai à luta
E conhece a dor
Consideramos justa
Toda forma de amor

Quis evitar teus olhos
Mas não pude reagir
Fico à vontade então
Acho que é bobagem
A mania de fingir
Negando a intenção

E quando um certo alguém
Cruzou o teu caminho
Te mudou a direção

Chego a ficar sem jeito
Mas não deixo de seguir
A tua aparição

E quando um certo alguém
Desperta o sentimento
É melhor não resistir
E se entregar

Me dê a mão
vem ser a minha estrela
Complicação
tão fácil de entender
Vamos dançar
luzir a madrugada
Inspiração
pra tudo que eu viver
Que eu viver, uoh, uoh

E quando um certo alguém
Desperta o sentimento
É melhor não resistir
E se entregar

Faltava abandonar a velha escola
Tomar o mundo feito Coca-Cola
Fazer da minha vida
Sempre o meu passeio público
E ao mesmo tempo fazer dela
O meu caminho só, único

Talvez eu seja o último romântico
Dos litorais deste Oceano Atlântico
Só falta reunir a Zona Norte à Zona Sul
Iluminar a vida
Já que a morte cai do azul

Só falta te querer
Te ganhar e te perder
Falta eu acordar
Ser gente grande pra poder chorar

Me dá um beijo, então
Aperta a minha mão
Tolice é viver a vida assim
Sem aventura
Deixa ser
Pelo coração
Se é loucura então
Melhor não ter razão

Me dá um beijo, então
Aperta a minha mão
Tolice é viver a vida assim
Sem aventura
Deixa ser
Pelo coração
Se é loucura então
Melhor não ter razão.

quarta-feira, 22 de outubro de 2008

Sabedoria Indígena

Uma noite, um velho índio contou ao seu neto sobre a guerra que acontece dentro das pessoas.
Ele disse: "A batalha é entre dois 'lobos' que vivem dentro de todos nós". Um é Mau. É a raiva, inveja, ciúme, tristeza, desgosto, cobiça, arrogância, pena de si mesmo, culpa, ressentimento, inferioridade, mentiras, orgulho falso, superioridade e ego. O outro é Bom. É alegria, fraternidade, Paz, esperança, serenidade, humildade, bondade, benevolência, empatia, generosidade, verdade, compaixão e fé.
O neto pensou nessa luta e perguntou ao avô:
- Qual lobo vence?
O velho índio respondeu:
- Aquele que você alimenta!

terça-feira, 21 de outubro de 2008

Ninguém é perfeito

Bem que eu queria ter sido bailarina.
E também astronauta, bombeira, policial, atriz....
Aquele sonho de perfeição da infância.
Seguir o exemplo dos heróis, fazer tudo certo.
Doce ilusão, pouco tempo depois a gente descobre que todos são falíveis e humanos.
Decepção, nostalgia, desânimo, fraquezas; estamos todos sujeitos ao erro.
Quem me dera conseguisse reconhecer e corrigir meus erros.
Ainda me surpreendo tentando, insistindo, errando e aprendendo.

Sonhando com dias melhores...
.............................

Ciranda da Bailarina

Composição: Edu Lobo/Chico Buarque

Procurando bem
Todo mundo tem pereba
Marca de bexiga ou vacina
E tem piriri, tem lombriga,
tem ameba
Só a bailarina que não tem
E não tem coceira
Berruga nem frieira
Nem falta de maneira ela não tem
Futucando bem
Todo mundo tem piolho
Ou tem cheiro de creolina
Todo mundo tem
um irmão meio zarolho
Só a bailarina que não tem
Nem unha encardida
Nem dente com comida
Nem casca de ferida ela não tem
Não livra ninguém
Todo mundo tem remela
Quando acorda às seis da matina
Teve escarlatina
ou tem febre amarela
Só a bailarina que não tem
Medo de subir, gente
Medo de cair, gente
Medo de vertigem
Quem não tem
Confessando bem
Todo mundo faz pecado
Logo assim que a missa termina
Todo mundo tem
um primeiro namorado
Só a bailarina que não tem
Sujo atrás da orelha
Bigode de groselha
Calcinha um pouco velha
Ela não tem
O padre também
Pode até ficar vermelho
Se o vento levanta a batina
Reparando bem,
todo mundo tem pentelho
Só a bailarina que não tem
Sala sem mobília
Goteira na vasilha
Problema na família
Quem não tem
Procurando bem
Todo mundo tem


Chico Buarque - Ciranda da bailarina

quarta-feira, 15 de outubro de 2008

O tempo não pára

Composição: Cazuza e Arnaldo Brandão

Disparo contra o sol
Sou forte, sou por acaso
Minha metralhadora cheia de mágoas
Eu sou o cara
Cansado de correr
Na direção contrária
Sem pódio de chegada ou beijo de namorada
Eu sou mais um cara

Mas se você achar
Que eu tô derrotado
Saiba que ainda estão rolando os dados
Porque o tempo, o tempo não pára

Dias sim, dias não
Eu vou sobrevivendo sem um arranhão
Da caridade de quem me detesta

A tua piscina tá cheia de ratos
Tuas idéias não correspondem aos fatos
O tempo não pára

Eu vejo o futuro repetir o passado
Eu vejo um museu de grandes novidades
O tempo não pára
Não pára, não, não pára

Eu não tenho data pra comemorar
Às vezes os meus dias são de par em par
Procurando agulha no palheiro
Nas noites de frio é melhor nem nascer
Nas de calor, se escolhe: é matar ou morrer
E assim nos tornamos brasileiros
Te chamam de ladrão, de bicha, maconheiro
Transformam o país inteiro num puteiro
Pois assim se ganha mais dinheiro

A tua piscina tá cheia de ratos
Tuas idéias não correspondem aos fatos
O tempo não pára

Eu vejo o futuro repetir o passado
Eu vejo um museu de grandes novidades
O tempo não pára
Não pára, não, não pára

© Warner Chappell / Editora GPA

....................................


LEVANDO A VIDA NA ARTE


No início dos anos 80, um garoto dourado do sol de Ipanema surpreendeu o cenário musical brasileiro. À frente de uma banda de rock cheia de garra, o Barão Vermelho, começou a dar voz aos impulsos de uma juventude ávida de novidades. Ele, Cazuza, era a grande novidade.
O Brasil saía de um longo ciclo ditatorial e vivia um clima de democracia ainda incipiente, mas suficiente para liberar as energias contidas. Cazuza desempenhou um papel importante nesse processo. E quando as misérias e mazelas nacionais foram se desnudando, ele respondeu sem meias palavras.
A expressão de sua repulsa diante desse quadro só pode ser comparada à coragem com que lutou por sua vida, no enfrentamento público da AIDS. Lições de indignação e de dignidade; de como levar a vida na arte e "ser artista no nosso convívio".
No pouco que viveu, Cazuza deixou uma obra para ficar. Bebeu na fonte da tradição viva da MPB para recriar, num português atual e espontâneo, cheio de gírias, e num estilo marcadamente pessoal, a poesia típica do rock. Com justiça, foi chamado de o poeta da sua geração.

........................................



A Sociedade Viva Cazuza iniciou suas atividades em 1990, quando Lucinha Araújo e João Araújo, pais de Cazuza, amigos e médicos decidiram dar continuidade à sua luta contra o HIV/AIDS.
Possui a missão de dar assistência a crianças carentes portadoras do vírus da aids, assistência social a pacientes adultos em tratamento na rede pública na cidade do Rio de Janeiro e difundir informações científicas sobre HIV/Aids além de esclarecimento de dúvidas para profissionais de saúde ou leigos.

Conheça o site da Sociedade Viva Cazuza: http://www.vivacazuza.org.br/


Cazuza - O Tempo Não Para - by Pescador

terça-feira, 7 de outubro de 2008

Crise ética?

Tive que dizer não e me senti pressionada!
Procuro agir de maneira correta e justa no trabalho, nas compras e em todas as relações sociais. Sou criticada e julgada pois quero respeitar as normas e regulamentos. Tento fazer as coisas "certas" mesmo nas situações adversas. Preciso conservar a minha consciência limpa, pois caso contrário não consigo dormir o "sono dos justos".

Esta semana, vivenciei uma situação em que uma pessoa tentou me forçar a fazer um "favorzinho", utilizou da amizade para conseguir um benefício indevido. Tive que dizer não, e por isso estou aqui repensando meu conceito de ser brasileira e se adoto o "jeitinho brasileiro".


Pesquisei na internet e encontrei muitos pontos de vista e maneiras de entender esta situação.
Posso compartilhar, mas ainda pensarei muito a respeito disso.
Comecei pela Wikipédia.
Jeitinho é uma forma de navegação social tipicamente brasileira, onde o indivíduo utiliza-se de recursos emocionais – apelo e chantagem emocional, laços emocionais e familiares, etc. – para obter favores para si ou para outrem.

O jeitinho caracteriza-se como ferramenta típica de indivíduos de pouca influência social. Em nada se relaciona com um sentimento revolucionário, pois aqui não há o ânimo de se mudar o status quo. O que se busca é obter um rápido favor para si, às escondidas e sem chamar a atenção; por isso, o jeitinho pode ser também definido como "molejo", "jogo de cintura", habilidade de se "dar bem" em uma situação "apertada". Não deve ser confundido, porém, com malandragem, que possui seus próprios fundamentos.
Diversos personagens do imaginário popular brasileiro trazem esta característica. Um dos mais conhecidos é o Pedro Malasartes, de origem portuguesa, profundamente enraizado no folclore popular brasileiro através do livro "Malasaventuras", escrito pelo paulistano Pedro Bandeira. João Grilo, personagem de Ariano Suassuna em O Auto da Compadecida, também carrega em si o jeitinho.

Segundo Willians de Abreu, no Brasil, tudo se resolve com o tal jeitinho brasileiro. Sim, tudo, gambiarras, serviço mau feito, falcatrua, sonegação, a comida do cliente, serviços públicos terceirizados, alvenaria e por diante. É tudo um ‘rolo’ só.


No livro "Dando um jeito no jeitinho", o prof. Lourenço Stelio Rega define jeitinho como uma saída para situações sem saída ou mesmo para uma situação que não se quer enfrentar, além disso, indica que o jeitinho não é só negativo (corrupção, levar vantagem, etc.), ele também tem um lado positivo. O autor demonstra isto indicando três características do jeitinho: inventividade/criatividade, função solidária e o lado conciliador do jeitinho.

OBS.: As fontes das imagens e dos textos estão nos respectivos links
Ricardo Grun - compositor - Jeitinho brasileiro

quinta-feira, 25 de setembro de 2008

Projeto qualidade de vida!

Bons dias! Boas tardes e noites!
Nas últimas semanas eu vivi alguns momentos de confusão e desânimo.
Tenho pensado bastante mas, ainda não consegui traduzir em palavras a tempestade de sentimentos que ocupou minha mente durante estes dias. Confesso que me assusta perceber que estou "envelhecendo", me sinto jovem. Meu corpo não acredita na minha mente, sinto muito vigor e vontade de aprender mas, estou cheia de "cre-cré-cré".
Vou explicar!
Todos os anos, na época do meu aniversário, me proponho a fazer exames preventivos. Não poderia me recusar a fazê-los, pois sou da área de saúde e passo boa parte do tempo educando as pessoas para se cuidarem.
Já comentei aqui sobre minha reprovação no teste de esforço, e desde aquela data estou envolvida entre consultas e exames. Ando aborrecida, pois após cada consulta sou encaminhada para outros especialistas e novos pedidos de exames. Até parece que tenho mania de doença!
A funcionária do laboratório já me conhece e nesta terça feira falou que vou "virar peneira". Ainda tenho que colher mais sangue no sábado! Não me queixo, não apresento sintomas além da obesidade. Ok! Já entendi que estou correndo riscos e por isso estou investindo no projeto de qualidade de vida. Estou empenhada a seguir todas as recomendações médicas para modificar este quadro até meu próximo aniversário.
O clínico geral pediu os exames de sangue e me encaminhou pro cardiologista. Depois pro endocrinologista, gastroenterologista e nefrologista. O endócrino me encaminhou pra nutricionista e pra academia. Estou emagrecendo de tando fazer jejum pra exame!
Ainda bem que tenho plano de saúde! Fico imaginando a dificuldade das pessoas que dependem do sistema público de saúde.
Enquanto isso, estou lendo sobre Qualidade de vida.
Algumas sugestões:
- Qualidade de vida - site médico
- Rumo saudável - qualidade de vida e desenvolvimento de pessoas
- O impacto do (bom) humor sobre o estresse e a saúde - G. J. Ballone
- ABESO - Associação Brasileira para o Estudo da Obesidade e da Síndrome Metabólica
- Síndrome Metabólica - Drausio Varela
- SBD - Sociedade Brasileira de Diabetes - Síndrome Metabólica

quinta-feira, 18 de setembro de 2008

Ando meio perturbada.

Não sei como explicar.
Não sinto vontade de falar, muito menos de escrever.
Justamente quando o número de visitantes começa a aumentar...
Espero que meus futuros "fãs" não desistam, antes mesmo de me conhecerem melhor.
Pra meus amigos não perderem tempo vou republicar um dos primeiros textos que coloquei aqui no blog.



TEMPO CHUVOSO
Luiza Helena
Hoje o dia amanheceu até bonitinho, mas logo apareceram aquelas nuvens cinza escuro, pra não dizer negras. Vocês já perceberam como às vezes o dia parece cinza mesmo antes de chover? Estou falando não só do tempo físico, clima, temperatura, previsão do tempo; estou falando do tempo emocional.
Meus sentimentos, às vezes, se parecem com a natureza, ou serão influenciados pela estação do ano? Não sei bem o que eu quero dizer, mas parece que quando eu estou triste, vejo tudo à minha volta como se fosse cinzento, negativo. Se chover então...
No dia ensolarado, parece que eu fico um pouco mais alegre, aberta a novas experiências, com expectativas otimistas... Existem pessoas que dizem: levantar da cama com o pé esquerdo dá azar, ou coisa parecida. Eu não acredito em superstições, mas já percebi que quando estou um pouco "pra baixo", ou meio deprimida, parece que todas as circunstâncias favorecem o acidente, o desastre, ou a confusão.
Um exemplo do que eu estou falando é, se você tem uma ferida em determinada parte do corpo, tudo bate, cai ou machuca aquela parte do corpo. Acho que vocês já perceberam isso também... O cunhado, primo ou colega de trabalho "precisa" te dar aquele abraço apertado justamente quando você voltou de férias todo queimado de sol. Quando eu tropeço e machuco o dedão do pé, parece que todo sapato aperta, tudo cai exatamente naquele dedão, até quem nunca pisou no seu pé neste dia acerta!
E acho, não sei bem, eu penso (às vezes), que emocionalmente esse fenômeno também acontece, se você está meio triste, meio nervoso, ou meio alguma coisa, diversas outras coisas acontecem... Se não melhorar, vai piorar de vez.
Não pensem que eu estou pessimista hoje, mas acho que estou especialmente sensível a perceber as nuvens cinzas do céu. Até já choveu e enquanto eu chorava, assistia a chuva caindo na janela do serviço...
Parece até que atrai, se estou triste fico reparando no incêndio que ocorreu hoje na cidade, o carro batido que atrapalha o trânsito, o telefone que não pára de tocar, no trabalho as pessoas ficam mais exigentes na razão inversa da sua disponibilidade.
Atrasos são acentuados por buracos e pedras no caminho. Ônibus lotado, quebrado, cadeira suja ou estragada justamente quando você está arrumado para aquele compromisso importante. Acho que não sei mais o que eu estou escrevendo... O que eu sei é que este espaço existe pra se colocar as idéias e pensamentos, argumentos e discussões.
Aproveitando esta idéia eu estou colocando aqui o que me perturba neste momento para não precisar mais pensar sobre isso hoje. Estou esvaziando minha cabeça dos pensamentos trouxas que eu teimo em carregar comigo. Sei que este espaço não é lata de lixo, mas meus pensamentos àtoa também não são tão ruins assim!
O que estou descrevendo se parece com aquela lei de Murphy (ou será outro nome?) que diz que sempre pode ficar um pouco pior, se tudo estiver meio torto poderá ficar mais torto ainda. Espero poder escrever em dia próximo sobre o inverso desta lei, pois quando estou otimista, até parece que as coisas ficam mais fáceis, "Poliana" pode bem explicar o que eu estou dizendo. Sei que o mundo é colorido, cinzento, branco ou negro, dependendo de quem olha, e como olha. Não existem coincidências, e nem acaso, acredito que todas as coisas na vida humana têm uma causa e, de acordo com nosso livre arbítrio, uma consequência inevitável.
Concordo quando dizem que colhemos o que plantamos, mas às vezes eu gostaria de ter a ajuda de alguém que me ensinasse a reconhecer os tipos de semente, a discernir as boas das ruins. Para não cometer duas vezes o mesmo erro de plantar espinho em vez de flores.
Ao final do dia cinzento e chuvoso eu reconheço que valeu a pena viver mais este dia. Espero com a graça de Deus amanhecer novamente amanhã; quando abrir os olhos, logo cedo, vou agradecer a oportunidade de escrever novamente, descrever as cores e continuar construindo esta história, que já começa meio torta, mas é verdadeira.
Uma vida perdida procurando achar o rumo certo a seguir.
* Foto gentilmente cedida por Claudia Lemos do blog Fazedora de Artes.

quinta-feira, 11 de setembro de 2008

Gracias a la vida

Violeta Parra

Gracias a la vida que me ha dado tanto.
Me dio dos luceros que, cuando los abro,
perfecto distingo lo negro del blanco,
y en el alto cielo su fondo estrellado
y en las multitudes el hombre que yo amo.

Gracias a la vida que me ha dado tanto.
Me ha dado el oído que, en todo su ancho,
graba noche y día grillos y canarios;
martillos, turbinas, ladridos, chubascos,
y la voz tan tierna de mi bien amado.

Gracias a la vida que me ha dado tanto.
Me ha dado el sonido y el abecedario,
con él las palabras que pienso y declaro:
madre, amigo, hermano, y luz alumbrando
la ruta del alma del que estoy amando.

Gracias a la vida que me ha dado tanto.
Me ha dado la marcha de mis pies cansados;
con ellos anduve ciudades y charcos,
playas y desiertos, montañas y llanos,
y la casa tuya, tu calle y tu patio.

Gracias a la vida que me ha dado tanto.
Me dio el corazón que agita su marco
cuando miro el fruto del cerebro humano;
cuando miro el bueno tan lejos del malo,
cuando miro el fondo de tus ojos claros.

Gracias a la vida que me ha dado tanto.
Me ha dado la risa y me ha dado el llanto.
Así yo distingo dicha de quebranto,
los dos materiales que forman mi canto,
y el canto de ustedes que es el mismo canto
y el canto de todos, que es mi propio canto.

Gracias a la vida que me ha dado tanto.

Violeta del Carmen Parra Sandoval (1917 — 1967) foi uma compositora, cantora, artista plástica e ceramista chilena, considerada a mais importante folclorista daquele país e fundadora da música popular chilena.

terça-feira, 9 de setembro de 2008

Hoje é o meu dia! Meu aniversário!

Senhor,
Obrigada pela graça de me trazer até aqui!
Agradeço pela saúde, família e amigos.
Agradeço a alegria e o privilégio de compartilhar.

terça-feira, 2 de setembro de 2008

Denunciando Plágio

Estou aborrecida, extremamente indignada!
Sei que na Internet quase tudo é possível. Pode-se encontrar coisas boas e ruins. Sei que é necessário discernimento e muito bom senso pra discriminar "alhos de bugalhos".
Sempre tive muito cuidado em pesquisar e confirmar a autoria, quando recebo, leio ou encontro algo interessante que queira publicar em meu blog. Gosto da idéia de universalizar a cultura com uso da web, mas não concordo com plágios e imitações.
Ainda acredito na ética e na justiça, portanto estou dedicando este espaço para a denúncia de mau uso e plágio indiscriminado na blogosfera.
Em 28 de fevereiro de 2007 publiquei o poema "Os homens bons, onde estão?" do meu amigo Joeldo Holanda, publicado pela primeira vez em 1999 pela editora poesia diária literatura.
Me autorizou a postar seu poema publicado anteriormente no site Verso & Prosa de outro amigo Fred Matos. Pois bem, esta semana, encontramos o poema estranhamente modificado e postado como de autor desconhecido em http://www.pensador.info/frase/NTE4OTcw/ .
O mais desagradável é que o indigno plagiador ainda não pôde ser identificado.
Apresento o texto original com autoria reconhecida!
Os Homens Bons
Joeldo Holanda
Os homens bons, quase sempre
Têm o rosto nas estrelas
E o coração nos canteiros.
Têm fé no nascer dos sóis,
Têm a alegria nos filhos,
E a esperança nos sapatos.

Os homens bons, fatalmente
Amam mais do que deviam.
Têm mulheres complicadas,
Têm amores de mentira.
Mas são, sobretudo, amados
Como artífices da vida.

Os homens bons, certamente
São puros como as manhãs.
São tímidos como as pedras,
São fáceis como as crianças.
São homens, como os antigos
São máquinas, se convém.

Os homens bons, normalmente,
Saem respirando a vida
E chegam cheirando a trabalho.
Os homens bons, geralmente,
São homens de mulher só.
Não que uma só sempre amassem,
Ou que uma só vez casassem,
Mas é que há um porta-retrato
Na mesa de cabeceira
Enfeitada de memória
Em casa de suas vidas
Que lhes servirá de morada
Após do mundo partirem.

domingo, 31 de agosto de 2008

Aula de português


A linguagem
na ponta da língua,
tão fácil de falar
e de entender.

A linguagem
na superfície estrelada de letras,
sabe lá o que ela quer dizer?

Professor Carlos Góis, ele é quem sabe,
e vai desmatando
o amazonas de minha ignorância.
Figuras de gramática, esquipáticas,
atropelam-me, aturdem-me, seqüestram-me.

Já esqueci a língua em que comia,
em que pedia para ir lá fora,
em que levava e dava pontapé,
a língua, breve língua entrecortada
do namoro com a prima.
O português são dois; o outro, mistério.

Carlos Drummond de Andrade © Graña Drummond



Minha pequena contribuição para blogagem coletiva vem da inspiração do professor.
O Português é uma lingua viva, constantemente se transforma pra atender a necessidade das pessoas. A linguagem adequada é importante quando a gente quer se comunicar. Quando escrevemos, devemos estar atentos ao tipo de público que estamos dedicando nossos textos. Escolhemos a forma de escrever de acordo com quem vai receber nossa mensagem. Falamos e queremos ser compreendidos. Eu gosto de escrever, principalmente falando sobre pensamentos e sentimentos. A adequação gramatical é muito importante. Porém, o mais importante, na minha opinião, é a mensagem chegar à mente e ao coração de quem lê.
Um grande abraço e feliz Dia do Blog!

sábado, 30 de agosto de 2008

O primeiro prêmio a gente nunca esquece!


Com muita alegria venho agradecer ao amigo Oscar Luiz pela generosa indicação para o Prêmio Dardos. Recebi diretamente do blog Flainando na Web.

O mais legal é que acredito que mereço esta indicação.
Quer dizer: Não tenho a menor modéstia!

Com o Prêmio Dardos se reconhecem os valores que cada blogueiro mostra cada dia em seu empenho por transmitir valores culturais, éticos, literários, pessoais, etc. Que em suma, demonstram sua criatividade através do pensamento vivo que está e permanece intacto entre suas letras, entre suas palavras.

O Prêmio Dardos tem certas regras:
1. Aceitar exibir a distinta imagem
2. Linkar o blog do qual recebeu o prêmio
3. Escolher quinze 15 blogs para entregar o Prêmio Dardos
Então eu aproveito para cumprir as regras e o repassá-lo com carinho para:
Maternidade do Texto
Eta! Tarefa difícil! Como sou rebelde sem causa, deixo a indicação dos outros 10 blogs para os próximos posts. Vou ter muito assunto pra escrever nesta semana!

domingo, 24 de agosto de 2008

Fui reprovada no teste de esforço!

Demorei pra escrever, eu sei. Ainda estou sob um grande impacto. Essa semana fiz um check-up, queria voltar a fazer exercícios físicos depois de longo tempo de sedentarismo. Tenho levado a sério as recomendações, já não sou uma menininha, quem diria! Já passei dos 40!
Pois é! Recebi más notícias. Durante o teste ergométrico minha pressão sanguínea subiu demais, caminhando na esteira chegou a 23 por 10 em poucos minutos. Foi um grande susto, não acreditei no médico. Eu não senti nada, nem estava começando a ficar cansada. O cardiologista disse que preciso perder peso antes de poder começar a fazer exercícios com regularidade. Só que não sei como perder peso sem fazer algum exercício...
Estou diante de um grande desafio, meu corpo estava enviando uma série de pequenas mensagens que eu não podia ouvir. Já lutei por grandes e pequenas causas, já me empenhei, muitas vezes perdi e tive que recomeçar. Superei grandes decepções, sobrevivi a traumas e abusos morais. Estou aqui, mal consegui organizar minha vida pessoal, reconquistar a amizade das minhas filhas e convalescendo a uma depressão. Todas as outras questões ficaram menores, menos importantes. Terei que começar nova batalha pela saúde, pela qualidade de vida.

sábado, 16 de agosto de 2008

Linguagem corporal

Se falasse, o quê meu corpo diria?
Não quero falar, muito menos ouvir.
Poderia aceitar o que meu corpo dissesse?
Será preciso meu corpo gritar?

Azia subindo e dizendo que não posso mais engolir?
Cabeça pulsando e parecendo que vai explodir?
Não posso mais suportar essa falta de amor ...
Angústia dizendo que não consigo...
O peito apertado gemendo ...
Parece que vou gritar!
Não consigo pensar!

Querido corpo, eu te ouço!
Pode falar devagarzinho.
Prometo te considerar.
Me leva pra dançar!
Não grita comigo!
Abraça carinhoso.
Posso te escutar.
Respeitar!
Aprender!
Amar!

quarta-feira, 13 de agosto de 2008

Vem cá, Luiza

Ed Music - Luiza


Gosto de pensar que o poeta estava muito inspirado quando escreveu esta composição pra mim, só pra mim...
Cada um dos elementos da música me encantam e me pertencem.
Como poderia me conhecer assim tão bem?
Na verdade, o meu desejo, era conhecer alguém
que me percebece e me quisesse apesar dos meus defeitos ...
Não quero ser perfeita, nunca tive esta esperança.
Nunca senti medo de errar e nem de reconhecer minhas falhas.
Acho que este é um dos meus problemas, sou muito crítica, rigorosa.
Quase nunca consigo me perdoar.
Guardo mágoas e dores.
Vivo presa num armadilha de arrependimento e auto-punição.
Quero encontrar minha própria redenção.
Reparar meus erros, cicatrizar as feridas.
Quero abrir meu coração,
Me sentir livre pra amar e ser amada.

"Acorda amor
Que eu sei que embaixo desta neve mora um coração!"


Tom Jobim escreveu esta canção em 1981.
Ele nunca me conheceu, nunca me amou.
Mas eu gosto de ouvir suas canções e sonhar que escreveu somente pra mim.
Eu posso acreditar!
Posso sonhar!
Eu posso!


Luiza

Rua,
Espada nua
Boia no céu imensa e amarela
Tão redonda a lua
Como flutua
Vem navegando o azul do firmamento
E no silêncio lento
Um trovador, cheio de estrelas
Escuta agora a canção que eu fiz
Pra te esquecer Luiza
Eu sou apenas um pobre amador
Apaixonado
Um aprendiz do teu amor
Acorda amor
Que eu sei que embaixo desta neve mora um coração


Vem cá, Luiza
Me dá tua mão
O teu desejo é sempre o meu desejo
Vem, me exorciza
Dá-me tua boca
E a rosa louca
Vem me dar um beijo
E um raio de sol
Nos teus cabelos
Como um brilhante que partindo a luz
Explode em sete cores
Revelando então os sete mil amores
Que eu guardei somente pra te dar Luiza
Luiza
Luiza...

Antonio Carlos Jobim explica a origem da composição - "Ana Luíza foi uma moça bonita que apareceu no Antonio's, num dia que estava chovendo. Ela correu para aquela varandinha do Antonio's. Era uma moça alta, grande, uma grande moça e uma moça grande. Estavam lá Chico Buarque, Carlinhos de Oliveira, uma quadrilha imensa. Chico começou a falar com aquele riso dele, aquelas palavras incríveis e depois a chuva passou e ela foi embora. E ficou o nome. Depois aconteceu que me casei com Ana e mais tarde nasceu minha filha Luíza. E eu fiz uma canção premonitória, aquela "Luíza", boa canção, canção forte. Já me perguntaram se a canção foi feita para ela. Foi feita na casa da Rua Peri, aqui embaixo, a uns 300 metros, e depois Luíza nasceu já aqui na casa da Rua Sara Vilela."

quinta-feira, 7 de agosto de 2008

A vida é dura pra quem é mole!

Minha amiga Grace Olson citou esta frase de Charlie Chaplin e eu concordo plenamente.

A vida é uma peça de teatro que não permite ensaios. Por isso, cante, chore, dance, ria e viva intensamente, antes que a cortina se feche e a peça termine sem aplausos.


Bom dia e Bom humor para todos!

segunda-feira, 4 de agosto de 2008

Muito prazer em conhecê-la!

Em meus dias prazerosos de férias em Belo Horizonte, uma graciosa surpresa me ocorreu. Quando menos esperava, enquanto passeava em busca de novas leituras, próximo a livraria da travessa, quem tive o imenso prazer em conhecer?

Henriqueta Lisboa (1901-1985), poeta mineira considerada pela crítica um dos grandes nomes da lírica modernista, dedicou-se à poesia, ensaios e traduções. Foi a primeira mulher eleita para a Academia Mineira de Letras em 1963. Em 1984, recebeu o Prêmio Machado de Assis da Academia Brasileira de Letras pelo conjunto de sua obra. Poeta sensível, dedicou sua vida à poesia. Sobre sua poesia, Drummond nos deixou o seguinte testemunho: “Não haverá, em nosso acervo poético, instantes mais altos do que os atingidos por este tímido e esquivo poeta.”

Para conhecer melhor e ler algumas das suas poesias podemos visitar a página construida pela Universidade Federal de Minas Gerais - UFGM: http://www.letras.ufmg.br/henriquetalisboa/



>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>

Prisioneira da Noite

Eu sou a prisioneira da noite.
A noite envolveu-me nos seus liames, nos seus musgos,
as estrelas atiraram-me poeira nas pestanas,
os dedos do luar partiram-me os fios do pensamento,
os ventos marinhos fecharam-se ao redor da minha cintura.
Quero os caminhos da madrugada e estou presa,
quero fugir aos braços da noite e estou perdida.

Onde fica a distância? Dizei-me ó Peregrinos,
onde fica a distância da qual me chegam misteriosos apelos?
Alguém me espera, alguém me esperará para sempre,
porque sou a prisioneira da noite.

[...]

Oh! Quem me ensina os caminhos da madrugada?
Porque não se acendem agora, sim, os candelabros das igrejas?
Poque não se iluminam as casas onde há noivos felizes?
Porque de tantas estrelas do céu ao menos uma não se desprende
para vir pousar no meu ombro como um sinal de esperança?

Tenho um encontro marcado há longo, longo tempo ...
Mas não chegarei porque sou a prisioneira da noite.

LISBOA, Henriqueta. Prisioneira da noite. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1941.