quarta-feira, 13 de agosto de 2008

Vem cá, Luiza

Ed Music - Luiza


Gosto de pensar que o poeta estava muito inspirado quando escreveu esta composição pra mim, só pra mim...
Cada um dos elementos da música me encantam e me pertencem.
Como poderia me conhecer assim tão bem?
Na verdade, o meu desejo, era conhecer alguém
que me percebece e me quisesse apesar dos meus defeitos ...
Não quero ser perfeita, nunca tive esta esperança.
Nunca senti medo de errar e nem de reconhecer minhas falhas.
Acho que este é um dos meus problemas, sou muito crítica, rigorosa.
Quase nunca consigo me perdoar.
Guardo mágoas e dores.
Vivo presa num armadilha de arrependimento e auto-punição.
Quero encontrar minha própria redenção.
Reparar meus erros, cicatrizar as feridas.
Quero abrir meu coração,
Me sentir livre pra amar e ser amada.

"Acorda amor
Que eu sei que embaixo desta neve mora um coração!"


Tom Jobim escreveu esta canção em 1981.
Ele nunca me conheceu, nunca me amou.
Mas eu gosto de ouvir suas canções e sonhar que escreveu somente pra mim.
Eu posso acreditar!
Posso sonhar!
Eu posso!


Luiza

Rua,
Espada nua
Boia no céu imensa e amarela
Tão redonda a lua
Como flutua
Vem navegando o azul do firmamento
E no silêncio lento
Um trovador, cheio de estrelas
Escuta agora a canção que eu fiz
Pra te esquecer Luiza
Eu sou apenas um pobre amador
Apaixonado
Um aprendiz do teu amor
Acorda amor
Que eu sei que embaixo desta neve mora um coração


Vem cá, Luiza
Me dá tua mão
O teu desejo é sempre o meu desejo
Vem, me exorciza
Dá-me tua boca
E a rosa louca
Vem me dar um beijo
E um raio de sol
Nos teus cabelos
Como um brilhante que partindo a luz
Explode em sete cores
Revelando então os sete mil amores
Que eu guardei somente pra te dar Luiza
Luiza
Luiza...

Antonio Carlos Jobim explica a origem da composição - "Ana Luíza foi uma moça bonita que apareceu no Antonio's, num dia que estava chovendo. Ela correu para aquela varandinha do Antonio's. Era uma moça alta, grande, uma grande moça e uma moça grande. Estavam lá Chico Buarque, Carlinhos de Oliveira, uma quadrilha imensa. Chico começou a falar com aquele riso dele, aquelas palavras incríveis e depois a chuva passou e ela foi embora. E ficou o nome. Depois aconteceu que me casei com Ana e mais tarde nasceu minha filha Luíza. E eu fiz uma canção premonitória, aquela "Luíza", boa canção, canção forte. Já me perguntaram se a canção foi feita para ela. Foi feita na casa da Rua Peri, aqui embaixo, a uns 300 metros, e depois Luíza nasceu já aqui na casa da Rua Sara Vilela."

Um comentário:

instantes e momentos disse...

Gostei muito do teu blog. Foi bom vir aqui.
Tenha um belo final de semana. Maurizio