quinta-feira, 25 de setembro de 2008

Projeto qualidade de vida!

Bons dias! Boas tardes e noites!
Nas últimas semanas eu vivi alguns momentos de confusão e desânimo.
Tenho pensado bastante mas, ainda não consegui traduzir em palavras a tempestade de sentimentos que ocupou minha mente durante estes dias. Confesso que me assusta perceber que estou "envelhecendo", me sinto jovem. Meu corpo não acredita na minha mente, sinto muito vigor e vontade de aprender mas, estou cheia de "cre-cré-cré".
Vou explicar!
Todos os anos, na época do meu aniversário, me proponho a fazer exames preventivos. Não poderia me recusar a fazê-los, pois sou da área de saúde e passo boa parte do tempo educando as pessoas para se cuidarem.
Já comentei aqui sobre minha reprovação no teste de esforço, e desde aquela data estou envolvida entre consultas e exames. Ando aborrecida, pois após cada consulta sou encaminhada para outros especialistas e novos pedidos de exames. Até parece que tenho mania de doença!
A funcionária do laboratório já me conhece e nesta terça feira falou que vou "virar peneira". Ainda tenho que colher mais sangue no sábado! Não me queixo, não apresento sintomas além da obesidade. Ok! Já entendi que estou correndo riscos e por isso estou investindo no projeto de qualidade de vida. Estou empenhada a seguir todas as recomendações médicas para modificar este quadro até meu próximo aniversário.
O clínico geral pediu os exames de sangue e me encaminhou pro cardiologista. Depois pro endocrinologista, gastroenterologista e nefrologista. O endócrino me encaminhou pra nutricionista e pra academia. Estou emagrecendo de tando fazer jejum pra exame!
Ainda bem que tenho plano de saúde! Fico imaginando a dificuldade das pessoas que dependem do sistema público de saúde.
Enquanto isso, estou lendo sobre Qualidade de vida.
Algumas sugestões:
- Qualidade de vida - site médico
- Rumo saudável - qualidade de vida e desenvolvimento de pessoas
- O impacto do (bom) humor sobre o estresse e a saúde - G. J. Ballone
- ABESO - Associação Brasileira para o Estudo da Obesidade e da Síndrome Metabólica
- Síndrome Metabólica - Drausio Varela
- SBD - Sociedade Brasileira de Diabetes - Síndrome Metabólica

quinta-feira, 18 de setembro de 2008

Ando meio perturbada.

Não sei como explicar.
Não sinto vontade de falar, muito menos de escrever.
Justamente quando o número de visitantes começa a aumentar...
Espero que meus futuros "fãs" não desistam, antes mesmo de me conhecerem melhor.
Pra meus amigos não perderem tempo vou republicar um dos primeiros textos que coloquei aqui no blog.



TEMPO CHUVOSO
Luiza Helena
Hoje o dia amanheceu até bonitinho, mas logo apareceram aquelas nuvens cinza escuro, pra não dizer negras. Vocês já perceberam como às vezes o dia parece cinza mesmo antes de chover? Estou falando não só do tempo físico, clima, temperatura, previsão do tempo; estou falando do tempo emocional.
Meus sentimentos, às vezes, se parecem com a natureza, ou serão influenciados pela estação do ano? Não sei bem o que eu quero dizer, mas parece que quando eu estou triste, vejo tudo à minha volta como se fosse cinzento, negativo. Se chover então...
No dia ensolarado, parece que eu fico um pouco mais alegre, aberta a novas experiências, com expectativas otimistas... Existem pessoas que dizem: levantar da cama com o pé esquerdo dá azar, ou coisa parecida. Eu não acredito em superstições, mas já percebi que quando estou um pouco "pra baixo", ou meio deprimida, parece que todas as circunstâncias favorecem o acidente, o desastre, ou a confusão.
Um exemplo do que eu estou falando é, se você tem uma ferida em determinada parte do corpo, tudo bate, cai ou machuca aquela parte do corpo. Acho que vocês já perceberam isso também... O cunhado, primo ou colega de trabalho "precisa" te dar aquele abraço apertado justamente quando você voltou de férias todo queimado de sol. Quando eu tropeço e machuco o dedão do pé, parece que todo sapato aperta, tudo cai exatamente naquele dedão, até quem nunca pisou no seu pé neste dia acerta!
E acho, não sei bem, eu penso (às vezes), que emocionalmente esse fenômeno também acontece, se você está meio triste, meio nervoso, ou meio alguma coisa, diversas outras coisas acontecem... Se não melhorar, vai piorar de vez.
Não pensem que eu estou pessimista hoje, mas acho que estou especialmente sensível a perceber as nuvens cinzas do céu. Até já choveu e enquanto eu chorava, assistia a chuva caindo na janela do serviço...
Parece até que atrai, se estou triste fico reparando no incêndio que ocorreu hoje na cidade, o carro batido que atrapalha o trânsito, o telefone que não pára de tocar, no trabalho as pessoas ficam mais exigentes na razão inversa da sua disponibilidade.
Atrasos são acentuados por buracos e pedras no caminho. Ônibus lotado, quebrado, cadeira suja ou estragada justamente quando você está arrumado para aquele compromisso importante. Acho que não sei mais o que eu estou escrevendo... O que eu sei é que este espaço existe pra se colocar as idéias e pensamentos, argumentos e discussões.
Aproveitando esta idéia eu estou colocando aqui o que me perturba neste momento para não precisar mais pensar sobre isso hoje. Estou esvaziando minha cabeça dos pensamentos trouxas que eu teimo em carregar comigo. Sei que este espaço não é lata de lixo, mas meus pensamentos àtoa também não são tão ruins assim!
O que estou descrevendo se parece com aquela lei de Murphy (ou será outro nome?) que diz que sempre pode ficar um pouco pior, se tudo estiver meio torto poderá ficar mais torto ainda. Espero poder escrever em dia próximo sobre o inverso desta lei, pois quando estou otimista, até parece que as coisas ficam mais fáceis, "Poliana" pode bem explicar o que eu estou dizendo. Sei que o mundo é colorido, cinzento, branco ou negro, dependendo de quem olha, e como olha. Não existem coincidências, e nem acaso, acredito que todas as coisas na vida humana têm uma causa e, de acordo com nosso livre arbítrio, uma consequência inevitável.
Concordo quando dizem que colhemos o que plantamos, mas às vezes eu gostaria de ter a ajuda de alguém que me ensinasse a reconhecer os tipos de semente, a discernir as boas das ruins. Para não cometer duas vezes o mesmo erro de plantar espinho em vez de flores.
Ao final do dia cinzento e chuvoso eu reconheço que valeu a pena viver mais este dia. Espero com a graça de Deus amanhecer novamente amanhã; quando abrir os olhos, logo cedo, vou agradecer a oportunidade de escrever novamente, descrever as cores e continuar construindo esta história, que já começa meio torta, mas é verdadeira.
Uma vida perdida procurando achar o rumo certo a seguir.
* Foto gentilmente cedida por Claudia Lemos do blog Fazedora de Artes.

quinta-feira, 11 de setembro de 2008

Gracias a la vida

Violeta Parra

Gracias a la vida que me ha dado tanto.
Me dio dos luceros que, cuando los abro,
perfecto distingo lo negro del blanco,
y en el alto cielo su fondo estrellado
y en las multitudes el hombre que yo amo.

Gracias a la vida que me ha dado tanto.
Me ha dado el oído que, en todo su ancho,
graba noche y día grillos y canarios;
martillos, turbinas, ladridos, chubascos,
y la voz tan tierna de mi bien amado.

Gracias a la vida que me ha dado tanto.
Me ha dado el sonido y el abecedario,
con él las palabras que pienso y declaro:
madre, amigo, hermano, y luz alumbrando
la ruta del alma del que estoy amando.

Gracias a la vida que me ha dado tanto.
Me ha dado la marcha de mis pies cansados;
con ellos anduve ciudades y charcos,
playas y desiertos, montañas y llanos,
y la casa tuya, tu calle y tu patio.

Gracias a la vida que me ha dado tanto.
Me dio el corazón que agita su marco
cuando miro el fruto del cerebro humano;
cuando miro el bueno tan lejos del malo,
cuando miro el fondo de tus ojos claros.

Gracias a la vida que me ha dado tanto.
Me ha dado la risa y me ha dado el llanto.
Así yo distingo dicha de quebranto,
los dos materiales que forman mi canto,
y el canto de ustedes que es el mismo canto
y el canto de todos, que es mi propio canto.

Gracias a la vida que me ha dado tanto.

Violeta del Carmen Parra Sandoval (1917 — 1967) foi uma compositora, cantora, artista plástica e ceramista chilena, considerada a mais importante folclorista daquele país e fundadora da música popular chilena.

terça-feira, 9 de setembro de 2008

Hoje é o meu dia! Meu aniversário!

Senhor,
Obrigada pela graça de me trazer até aqui!
Agradeço pela saúde, família e amigos.
Agradeço a alegria e o privilégio de compartilhar.

terça-feira, 2 de setembro de 2008

Denunciando Plágio

Estou aborrecida, extremamente indignada!
Sei que na Internet quase tudo é possível. Pode-se encontrar coisas boas e ruins. Sei que é necessário discernimento e muito bom senso pra discriminar "alhos de bugalhos".
Sempre tive muito cuidado em pesquisar e confirmar a autoria, quando recebo, leio ou encontro algo interessante que queira publicar em meu blog. Gosto da idéia de universalizar a cultura com uso da web, mas não concordo com plágios e imitações.
Ainda acredito na ética e na justiça, portanto estou dedicando este espaço para a denúncia de mau uso e plágio indiscriminado na blogosfera.
Em 28 de fevereiro de 2007 publiquei o poema "Os homens bons, onde estão?" do meu amigo Joeldo Holanda, publicado pela primeira vez em 1999 pela editora poesia diária literatura.
Me autorizou a postar seu poema publicado anteriormente no site Verso & Prosa de outro amigo Fred Matos. Pois bem, esta semana, encontramos o poema estranhamente modificado e postado como de autor desconhecido em http://www.pensador.info/frase/NTE4OTcw/ .
O mais desagradável é que o indigno plagiador ainda não pôde ser identificado.
Apresento o texto original com autoria reconhecida!
Os Homens Bons
Joeldo Holanda
Os homens bons, quase sempre
Têm o rosto nas estrelas
E o coração nos canteiros.
Têm fé no nascer dos sóis,
Têm a alegria nos filhos,
E a esperança nos sapatos.

Os homens bons, fatalmente
Amam mais do que deviam.
Têm mulheres complicadas,
Têm amores de mentira.
Mas são, sobretudo, amados
Como artífices da vida.

Os homens bons, certamente
São puros como as manhãs.
São tímidos como as pedras,
São fáceis como as crianças.
São homens, como os antigos
São máquinas, se convém.

Os homens bons, normalmente,
Saem respirando a vida
E chegam cheirando a trabalho.
Os homens bons, geralmente,
São homens de mulher só.
Não que uma só sempre amassem,
Ou que uma só vez casassem,
Mas é que há um porta-retrato
Na mesa de cabeceira
Enfeitada de memória
Em casa de suas vidas
Que lhes servirá de morada
Após do mundo partirem.