segunda-feira, 28 de setembro de 2009

Descoberta!

Vocês podem nem acreditar, mas fui a meu primeiro forró neste sábado. Estou revendo todos os meus conceitos e preconceitos, descobri um mundo novo.
Dancei tanto que estraguei meu joelho, mas vou correndo "consertar" pra aproveitar ainda mais no próximo fim de semana. Estou colocando gelo e compressa...
Me identifiquei com uma amiga que confessou : "... imagine eu que sempre amei rock... e só rock, blue, jazz... quando descobri o forró... hum... Quando aprendi a dançar o pé de serra na ponta do pé e coladinho então... ui ui ui... mas todos os estilos são válidos..."
Esse tal de rala-côxa, muuuuito bom!
Onde eu fiquei presa esse tempo todo?
Nem sabia o que estava perdendo...

Só pra comemorar eu vou mostrar um grande sucesso!
Além de talentosos, são românticos e charmosos meus amigos Balzaquianos!!
O vídeo da música "Princesa do Forró", que é uma parceira de Silvio Sodré com o Sérgio Veiga, tendo como musa inspiradora a senhorita Vivi Forrozeira.
http://www.youtube.com/watch?v=SmJsapUbtqI "Era uma vez, em uma pequena grande comunidade, um poeta, um músico e uma musa se encontraram. Desse encontro resultou esta singela homenagem a este maravilhoso ritmo nordestino: o Forró!

quinta-feira, 24 de setembro de 2009

Li, gostei e compartilhei

Saúde Mental – Rubem Alves – adaptado do livro "O médico"

Fui convidado a fazer uma preleção sobre saúde mental. Os que me convidaram supuseram que eu, na qualidade de psicanalista, deveria ser um especialista no assunto. E eu também pensei. Tanto que aceitei. Mas foi só parar para pensar para me arrepender. Percebi que nada sabia. Eu me explico.
Nós somos muito parecidos com computadores, O funcionamento dos computadores, como todo mundo sabe, requer a interação de duas partes. Uma delas chama-se hardware, literalmente "equipamento duro", e a outra denomina software, "equipamento macio". O hardware é constituído por todas as coisas sólidas com que o aparelho é feito. O software é constituído por entidades "espirituais" – símbolos que formam os programas e são gravados nos disquetes.
Nós também temos um hardware e um software. O hardware são os nervos do cérebro, os neurônios, tudo aquilo que compõe o sistema nervoso. O software é constituído por uma série de programas que ficam gravados na memória. Do mesmo jeito como nos computadores, o que fica na memória são os símbolos, entidades levíssimas, dir-se-ia mesmo "espirituais", sendo que o programa mais importante é a linguagem.
Um computador pode enlouquecer por defeitos no hardware ou por defeitos no software. Nós também. Quando nosso hardware fica louco há que se chamar psiquiatras e neurologistas, que virão com suas poções químicas e bisturis consertar o que estragou. Quando o problema está no software, entretanto, poções e bisturis não funcionam. Não se conserta um programa com chave de fenda. Porque o software é feito de símbolos, somente símbolos podem entrar dentro dele. Assim, para se lidar com o software há que se fazer uso dos símbolos. Por isso, quem trata das perturbações do software humana nunca se vale de recursos físicos para tal. Suas ferramentas são palavras, e eles podem ser poetas, humoristas, palhaços, escritores, gurus, amigos e até mesmo psicanalistas.

Fonte: ALVES, Rubem  O médico. Campinas- SP: Papirus, 2002

domingo, 20 de setembro de 2009

Ontem? Hoje? Quando?

Ana Luiza de Jesus Alves


Não sei se aproveitei
meu tempo hoje
Vi murchando pétalas
ontem tão lindas

O mundo está mudando
o branco de ontem é bege
O rio que passava aqui
da lugar a um estacionamento

Para não ser esquecida, escrevo
Para deixar minha marca, vivo
E enquanto o mundo se apaga
relembro o breve que se dissolveu.

quarta-feira, 9 de setembro de 2009

Hoje é meu aniversário!

Estou celebrando a vida!

Quando eu me amei de verdade

Kim e Alison MacMillen

Quando me amei de verdade, compreendi que em qualquer circunstância, eu estava no lugar certo, na hora certa, no momento exato. E, então, pude relaxar.
Hoje sei que isso tem nome... autoestima.
Quando me amei de verdade, pude perceber que a minha angústia, meu sofrimento emocional, não passa de um sinal de que estou indo contra as minhas verdades.
Hoje sei que isso é autenticidade.
Quando me amei de verdade, parei de desejar que a minha vida fosse diferente e comecei a ver que tudo o que acontece contribui para o meu crescimento.
Hoje chamo isso de ... amadurecimento.
Quando me amei de verdade, comecei a perceber como é ofensivo tentar forçar alguma situação ou alguém apenas para realizar aquilo que desejo, mesmo sabendo que não é o momento ou a pessoa não está preparada, inclusive eu mesmo.
Hoje sei que o nome disso é ... respeito.
Quando me amei de verdade, comecei a me livrar de tudo que não fosse saudável... pessoas, tarefas, tudo e qualquer coisa que me pusesse para baixo. De início, minha razão chamou essa atitude de egoísmo.
Hoje sei que se chama... amor-próprio.
Quando me amei de verdade, deixei de temer meu tempo livre e desisti de fazer grandes planos, abandonei os projetos megalômanos de futuro. Hoje faço o que acho certo, o que gosto, quando quero e no meu próprio ritmo.
Hoje sei que isso é ... simplicidade.
Quando me amei de verdade, desisti de querer ter sempre razão e, com isso, errei muitas menos vezes.
Hoje descobri a ... humildade.
Quando me amei de verdade, desisti de ficar revivendo o passado e de me preocupar com o futuro. Agora, me mantenho no presente, que é onde a vida acontece.
Hoje vivo um dia de cada vez. Isso é ... plenitude.
Quando me amei de verdade, percebi que a minha mente pode me atormentar e me decepcionar. Mas quando eu a coloco a serviço do meu coração, ela se torna uma grande e valiosa aliada.
Tudo isso é ... saber viver!

segunda-feira, 7 de setembro de 2009

Tantas escolhas, qual a direção?


Luiza Helena
Já contei aqui no blog a história de quando aprendi a dirigir e como conquistei minha carteira de habilitação (CNH) à custa de sacrifício e suor. Pois bem, muitas coisas se sucederam desde então, e à medida que o tempo passa, fui encontrando muitos obstáculos e desafios. Entre estes caminhos vivi histórias de acidentes e recuperação, pequenas tristezas e grandes alegrias. Muitas vezes pensei em desistir diante das acusações e julgamentos das pessoas. Para conduzir um veículo automotor pelas ruas e avenidas da cidade não basta apenas estar legalmente autorizada, é preciso uma boa dose de ousadia e muita sabedoria.
O trânsito nas cidades urbanas é reconhecidamente complexo e turbulento. Muitos veículos, ruas estreitas e mal conservadas geram uma série de distúrbios e conflitos. Diante da urgência e correria da rotina diária, inúmeras pessoas querem chegar cada vez mais depressa nos lugares e compromissos. Ninguém gosta de esperar, e todos querem ser os primeiros a chegar. Como consequência, observamos congestionamentos quilométricos, ônibus superlotados e as pessoas (motoristas, passageiros e pedestres) ficando cada vez mais aborrecidos e estressados.
Conheço quem diga que o trânsito é uma selva onde reina o maior e mais forte (ou mais rápido), porém eu me empenho em acreditar que vivemos nossas vidas como conduzimos nossos veículos. Refletindo percebo que existem pessoas gentis conseguindo dirigir de forma pacífica respeitando as normas enquanto outras pessoas mal humoradas e rancorosas percorrem as ruas acelerando seus veículos e ultrapassando todos os limites de tolerância e boa educação. Não podemos imaginar qual o temperamento ou a motivação da pessoa que está na faixa de rolagem ao nosso lado, qual desconforto ou desespero incomoda o motorista que pisca o farol insistentemente, ou qual dor ou agonia aflige aquele motorista que não pára de buzinar. Nem mesmo sei porque as vezes sou tão lenta e outras vezes estou tão acelerada...
No meu romantismo cheguei a acreditar que minha determinação e força de vontade (motivados pela necessidade básica de morar e viver numa cidade onde as distancias são longas e os caminhos largos) seriam o suficiente para me amadurecer emocionalmente e me habilitar a dirigir minha própria vida para onde e quando eu quisesse. Doce ilusão! Estudei o código nacional de trânsito, frequentei a escola do DETRAN, passei na prova escrita e também na situação mais difícil: a prova prática de direção. Ok. Recebi minha CNH, mas não basta apenas eu fazer as coisas certas, cuidar do meu automóvel, respeitar a sinalização e conhecer os caminhos... Ninguém dirige sozinho (apesar de uns e outros decidirem que são os donos da rua). Quando sigo no meu Fiat com toda a documentação organizada e meus impostos em dia, nunca saberei o que me espera no próximo cruzamento, muito menos poderei imaginar o que se passa na cabeça do outro motorista. Não sei se está alegre ou triste, saudável ou doente, muito menos se está plenamente no controle dos seus reflexos. Não sei se é experiente, se irá sinalizar numa flexão ou se respeitará a faixa de pedestres. Mesmo estudando Psicologia, e fazendo psicoterapia não posso dirigir por mim e pelos outros.
No DETRAN nos ensinam a direção defensiva, recebemos dicas de como evitar situações constrangedoras e acidentes, mas nem sempre estaremos preparados para escapar de motoristas alcoolizados, amargurados ou suicidas.
Se eu imaginasse quantos riscos eu estaria correndo ao longo da vida, não teria lutado pra sair da barriga da minha mãe. Teria desistido antes e perdido inúmeras possibilidades de sucesso. Só é derrotado aquele que não luta. Quero apenas o direito de escolher meu próprio caminho, seguir as pistas para encontrar a felicidade, curtindo bem a viagem e aproveitando da melhor forma possível as oportunidades de relacionamento e desenvolvimento do meu potencial humano. Sem ferir ou ameaçar, sem transgredir ou desrespeitar, sem abusar das pessoas e sem desperdiçar a oportunidade de continuar viva.


Para aprender mais sobre sinalização visite o Detran do seu estado ou siga direto pros links abaixo:
O site das placas: http://aimore.net/placas/geral.html 
Detran- BA: http://www.detran.ba.gov.br/educacao/regulamentacao.php
OBS.: Deixei alguns links interessantes no texto, basta clicar e boa leitura.