terça-feira, 22 de abril de 2008

Compartilhar informações é promover a prevenção!

Câncer de Mama

O câncer de mama é provavelmente o mais temido pelas mulheres, devido à sua alta freqüência e sobretudo pelos seus efeitos psicológicos, que afetam a percepção da sexualidade e a própria imagem pessoal. Ele é relativamente raro antes dos 35 anos de idade, mas acima desta faixa etária sua incidência cresce rápida e progressivamente.
Este tipo de câncer representa nos países ocidentais uma das principais causas de morte em mulheres. As estatísticas indicam o aumento de sua freqüência tantos nos países desenvolvidos quanto nos países em desenvolvimento.
No Brasil, o câncer de mama é o que mais causa mortes entre as mulheres. Consulte a publicação Estimativa de Incidência de Câncer no Brasil para 2008.
As formas mais eficazes para detecção precoce do câncer de mama são o exame clínico da mama e a mamografia.

O auto-exame previne a doença?O exame das mamas realizado pela própria mulher, apalpando os seios, ajuda no conhecimento do próprio corpo, entretanto, esse exame não substitui o exame clínico das mamas realizado por um profissional de saúde treinado. Caso a mulher observe alguma alteração deve procurar imediatamente o serviço de saúde mais próximo de sua residência. Mesmo que não encontre nenhuma alteração no auto-exame, as mamas devem ser examinadas uma vez por ano por um profissional de saúde!

O que mais a mulher pode fazer para se cuidar?Ter uma alimentação saudável e equilibrada (com frutas, legumes e verduras), praticar atividades físicas (qualquer atividade que movimente seu corpo) e não fumar. Essas são algumas dicas que podem ajudar na prevenção de várias doenças, inclusive do câncer.

sábado, 19 de abril de 2008

Que vergonha!

Passei o dia todo lendo os posts dos participantes da blogagem coletiva e nem consegui escrever meu próprio post!
A Leitura estava tão interessante, com tantas sugestões e comentários inteligentes!
Me perdi!
Achei um mundo de palavras e idéias que precisam ser praticadas!


segunda-feira, 14 de abril de 2008

Palavrão!

Tenho vívida lembrança de como ficava curiosa a desvendar os mistérios das palavras escritas, ficava sempre por perto das pessoas que sabiam ler e perguntava o que queriam dizer aqueles risquinhos...
Não encontrei quem tivesse paciência suficiente pra me explicar tais coisas, procurei descobrir por mim mesma, e fiquei maravilhada quando descobri que juntando aquelas letrinhas eu poderia saber o que estava escrito em todos os lugares.
Parecia que eu estava então em um novo universo, havia descoberto um mundo novo e repleto de novas palavras que eu nunca tinha ouvido falar, na minha inocência e encantamento desejava que todos soubessem: "Eu sei ler!"
Saía lendo em voz alta todas as letras que eu encontrava em muros e placas, nas ruas, folhetos, enfim, em todos os lugares.
Num dia, numa curta viagem de ônibus, comecei a praticar aquele jogo incrível que me deixava alegre e satisfeita. "Olha mãe, eu posso ler!"
Minha mãe assustada me controlou colocando a mão na minha boca. "Menina, não fala isso, é palavrão!"
Sem compreender direito por causa da minha pouca idade (entre 4 e 5 anos) respondi:
"Que isso mãe. É uma palavra pequena, tem só dois pedacinhos! Pu - ta! Fo - da!"
Nem preciso dizer como terminou a história...

Eu confesso!

Durante todos esses dias em que estive ausente, tenho pensado na resposta àquela pergunta que coloquei na chamada pra blogagem coletiva:
O que você faz para acabar com o analfabetismo no Brasil?
Confesso, realmente não tenho resposta ainda. Tenho pesquisado e lido sobre vários aspectos desta questão, mas infelizmente, percebi que efetivamente não tenho feito nenhuma contribuição pra diminuir ou acabar com o analfabetismo no meu bairro, cidade e muito menos no Brasil.
Estou perplexa e envergonhada!
Achava que as pequeninas iniciativas que apresentei durante toda a minha incentivando às pessoas a estudarem e buscarem maiores conhecimentos e qualidade de vida me fariam sentir orgulhosa como cidadã. Pois é, nada disso fez realmente diferença. Que pena!

terça-feira, 1 de abril de 2008

Açougueiro? Cidadão!

Por Francisca Azevedo e adaptado por Luiza Helena

O fundador do Açougue Cultural T-Bone é Luiz Amorim, 41 anos. Luiz trabalhou como vigia e engraxate antes de ser contratado, aos 12 anos, por um pequeno açougue na 312 norte.
Durante o tempo em que morou nos fundos da loja, lia para passar o tempo. Acabou apaixonado pelos livros.
"Fui alfabetizado aos 16 anos, li meu primeiro livro aos 18 e depois comecei a ler muito."
"Meu primeiro livro foi um gibi de filosofia. Eu li e não entendi, mas achei interessante e aí comecei a ter essa compulsão pela leitura. Então, como eu morava no açougue e não tinha pra onde ir, eu fechava a loja e ia ler. E lia uma média de 10 a 15 livros por mês. O mundo mudou pra mim em todos os sentidos. Quando você faz uma coisa e se dá muito bem, você acredita que as pessoas fazendo também vão ser melhores. Foi aí que comecei essa campanha pra incentivar a leitura."
Quando, em 1994, os antigos donos do açougue resolveram vender a empresa, Luiz comprou e transformou a loja no primeiro açougue-biblioteca do mundo.
O acervo cresceu e quando beirava os 10 mil volumes, a vigilância sanitária interditou a loja. Considerou anti-higiênico que livros fossem acondicionados tão perto das carnes cruas.
Luiz Amorim diminuiu o acervo do T-Bone, mas não desistiu de sua biblioteca.
Em 2003 alugou duas lojas na SQN 712/13 e criou a ONG Projetos Culturais T-Bone. Encheu o espaço de estantes e, em pouco tempo, já contabilizava mais de 20 mil exemplares, além da excelente biblioteca, também uma Casa de Cultura, local de vários eventos culturais.

O quê eu posso fazer?

Pesquisando na Wikipédia olha o que aprendi:

Analfabeto funcional é a denominação dada à pessoa que mesmo tendo aprendido a decodificar minimamente a escrita, utiliza geralmente frases curtas e não desenvolve a habilidade de interpretação de textos.
Analfabeto funcional pode ser definido também como o individuo maior de quinze anos e que possui escolaridade inferior a quatro anos.
Segundo dados recentes (Instituto Paulo Montenegro), no Brasil o analfabetismo funcional atinge cerca de 75% da população, ou seja, somente 25% da população é alfabetizada plenamente.
Isso se deve à baixa qualidade dos sistemas de ensino (tanto público, quanto privado), ao baixo salário dos professores, à falta de infra-estrutura das instituições de ensino e à falta do hábito da leitura do brasileiro, ou até mesmo a falta de vontade do mesmo.
Em alguns países desenvolvidos esse índice é inferior a 10% (Suécia, por exemplo).
Fonte: http://pt.wikipedia.org/wiki/Analfabetismo_funcional